Zack Snyder

Eu juro que eu não queria falar mal de Zack Snyder por causa de Liga da Justiça. De verdade.

Snyder enfrentou problemas pessoais sérios durante a produção do filme. Uma tragédia familiar o afastou completamente do projeto, que foi assumido e finalizado por Joss Whedon. Algo que, como ser humano, eu compreendo perfeitamente e, por isso, torci para que Liga da Justiça entregasse um resultado final positivo.

E, pelo menos dentro dos meus critérios de avaliação, o filme cumpre esse papel. Tem problemas, sim, mas consegue ao menos divertir e entregar um trabalho digno ou positivo.

Porém… não dá para isentar certos detalhes que, como diretor e idealizador da trama, é de responsabilidade dele. Quem assina o filme é Zack Snyder, e é a sua visão criativa que dever ser observada e criticada. independente de qualquer problema pessoal que ele sofreu.

Dito isso… vamos falar da visão de Zack Snyder sobre as guerreiras Amazonas, grupo de mulheres a qual pertence a nossa querida Mulher Maravilha.

No filme dirigido por Patty Jenkins, as Amazonas estavam vestidas como guerreiras, tal e como elas são. Com o corpo semi protegido com armaduras, algo completamente compreensível para mulheres que vão para o combate.

Já no filme idealizado e dirigido por Zack Snyder, as mesmas Amazonas acabam com o figurino “levemente modificado” (entendam a ironia pelas aspas), com abdômens sarados expostos e um vestuário mais revelador.

Seria este um sinal claro da visão um tanto quanto machista de Zack Snyder para esse tema?

OK. Antes que vocês me chamem de chato… há pelo menos DUAS CENAS em Liga da Justiça que respondem claramente essa pergunta. As duas com a própria Mulher Maravilha.

Nas duas cenas, o plano de câmera se volta para a parte traseira do corpo da atriz Gal Gadot. Em uma delas, temos Diana usando uma roupa muito colada ao corpo, revelando suas curvas. E na segunda cena, com o mesmo plano de câmera, a mesma Diana está paramentada como Mulher Maravilha, e o ângulo de forma generosa mostra como o seu uniforme bem curto ficou bem na atriz.

Não é mera coincidência, meus amigos.

Não é um julgamento, mas é apenas a comprovação dos fatos. Zack Snyder e Patty Jenkins tem visões claramente diferentes sobre o mesmo tema e, particularmente, Snyder não precisava apelar assim.

Gostamos da Mulher Maravilha e das Amazonas, mesmo se elas estivessem vestidas de Galinha Pintadinha em abertura da Copa do Mundo. Não é uma quantidade menor de roupas que deixarão as moças mais interessantes aos olhos dos homens.

Quero dizer… dos homens que respeitam as mulheres.

É uma pena constatar a apelação de Snyder para os fetiches masculinos, deixando de lado o maior potencial criativo em contar uma história mais coerente, que conquiste o público por elementos mais edificantes.

E Snyder faz isso no meio do furacão do assédio sexual em Hollywood.

Péssima ideia.