Woody Allen é um dos nomes mais consagrados do cinema, e continua trabalhando mesmo depois dos 80 anos de idade. Normalmente, ele estreia um filme por ano. Mas isso pode mudar.

Rumores indicam que Allen pode ser obrigado a tirar as suas primeiras férias nos últimos 35 anos, de forma forçada. Ele enfrenta sérios problemas para encontrar financiamento para os seus projetos em desenvolvimento.

A falta de apoio financeiro poderia estar relacionada com as acusações de abuso sexual que Allen recebeu pelo movimento #MeToo, ironicamente liderado pelo seu filho Ronan Farrow. Allen foi acusado por sua filha adotiva, Dylan Farrow, de abuso sexual quando ela tinha 7 anos de idade.

Woody Allen nunca foi formalmente acusado de nenhum criem, mas o juiz no caso da custódia dos filhos dele contra Mia Farrow considerou o comportamento de Allen contra Dylan algo “sumariamente inapropriado”.

Timothée Chalamet, Griffin Newman e Rebecca Hall, membros do elenco do último filme de Allen, ‘A Rainy Day in New York’, doou os seus respectivos cachês para várias organizações de apoio a vítimas de abusos sexuais.

O #MeToo tem importância midiática enorme, a ponto de deixar Woody Allen sem orçamento para seus projetos. Porém, é fato que o diretor já teve problemas no passado com esse tema, já que seus filmes não são rentáveis.

Seja como for, tudo indica que 2019 será o primeiro ano sem filmes de Woody Allen em cartaz desde 1982, ainda que o mesmo tenha um contrato fechado com a Amazon, negociado em 2016, que garante pelo menos mais três filmes dele para o serviço de streaming.

Porém, diante de tantos problemas, a Amazon estaria planejando romper o contrato por considerar tudo “mais problemático do que eles imaginaram que seria”.

 

Via The Page Six