Depois da pior audiência da história (mesmo não sendo a cerimônia menos vista de todos os tempos na prática), o Oscar precisava mudar alguma alguma coisa. Aliás, muitas coisas. As pessoas não aguentam mais o ‘mais do mesmo’ e a falta de identidade com a realidade prática daqueles que (ainda) vão para as salas de cinema.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas anunciou importantes mudanças para a 91a edição dos Academy Awards, com o objetivo de ganhar espectadores e voltar a ser considerado um grande evento televisivo, como era (por exemplo) no começo desse século.

Além de aprovar a re-eleição de John Bailey como presidente da Academia, várias medidas foram anunciadas para deixar a premiação mais moderna, ágil e conectada com o novo público. As duas mais importantes são:

1) Uma premiação mais curta, com limite máximo de três horas de duração (eu agradeço aos céus, pois teve cerimônias que duraram quase quatro horas e, no final, as pessoas estavam tão cansadas, que até troca de envelope rolou… #WeNeverForget);

2) A criação de uma categoria para premiar os filmes mais populares da indústria (ainda não foi informado qual será o critério de escolha desses filmes – se será pela visibilidade ou bilheteria ou por indicação técnica baseado nas bilheterias dos filmes – e o critério de escolha dos vencedores – se os membros da Academia escolhem os vencedores, ou se teremos uma votação popular, via internet -. E, independente de qualquer coisa, algumas pessoas na Marvel Studios começam a esfregar as mãos…).

Um dos grandes problemas do Oscar hoje é a sua duração. Muitos detalhes deixam a premiação muito longa, e o que a Academia se comprometeu a entregar a partir de 2019 é “um show de entretenimento de três horas”. Para agilizar as coisas, alguns dos prêmios serão entregues durante os intervalos comerciais.

Na prática, o espectador não verá todos os prêmios. Porém, em respeito aos vencedores, esses momentos serão gravados e transmitidos em momento posterior, para aqueles que querem ver a premiação na íntegra. É algo que o Tony Awards faz na CBS. Ainda não foram escolhidas as categorias que ficarão de fora da transmissão oficia, mas podemos imaginar que os curta-metragens, cabelo, maquiagem e categorias técnicas menores devem ser as escolhidas.

Mas a mudança mais chamativa é a criação de uma nova categoria, algo que não acontece no Oscar desde 2001, com a estreia de Melhor Longa de Animação. Como disse antes, não foram revelados maiores detalhes sobre a mecânica da nova categoria, exceto que ela vai dar destaque aos filmes populares. É uma medida polêmica, mas que deve ajudar a melhorar a audiência da premiação, especialmente se essa categoria ficar nas mãos da audiência, com votação via internet.

Assim, acaba a discussão se o Oscar deveria indicar menos dramas conceituais, filosoficamente elevados e obras de autor, e premiar mais os blockbusters que arrecadam milhões nas bilheterias. Assim, na 91a edição do Oscar, podemos ver entre os indicados filmes como Pantera Negra, Vingadores: Guerra Infinita, Jurrasic World: Reino Ameaçado, Missão Impossível: Efeito Fallout, Um Lugar Silencioso, entre outros.

Minha opinião? Apoio as duas decisões.

Para quem cobre o Oscar todos os anos (meu caso), é uma tortura absoluta. Por mais que a gente goste do trabalho, ele é exaustivo. Uma grande maratona, que a audiência não quer mais enfrentar. Uma premiação mais enxuta pode ajudar a segurar a audiência e melhorar os números.

E sobre a votação popular, é o Oscar tentando aprender com os erros. Me lembro bem dos filmes indicados no começo do século (e até nas décadas anteriores), onde vários filmes eram efetivos sucessos de bilheteria, com grande visibilidade. Hoje, por mais que sejam grandes filmes, e o acesso ficou facilitado com a internet, não são blockbusters. E o grande público quer os blockbusters entre os indicados. E, se a audiência poderá escolher o vencedor, melhor ainda. É um prêmio dos fãs. Uma escolha da audiência, como a MTV tão bem faz no Movie & TV Awards.

Pelo menos uma categoria onde o controle é dos fãs de cinema, e apenas por ser fã. Não é a qualidade que conta, mas sim a popularidade. É fundamental deixar isso bem claro desde já.

Por fim, a Academia já anunciou as datas das próximas duas edições dos Academy Awards: a 91a edição do Oscar acontece no dia 24 de fevereiro de 2019, e a 92a edição acontece no dia 9 de fevereiro de 2020.

 

Via THR