Perto da nova geração que acessa os blogs de entretenimento, eu sou um cara velho (39 anos, e já tenho diabetes, parentes com Alzheimer… é, melhor eu correr…). Por isso, posso afirmar que vi boa parte do melhor de Bill Cosby na televisão.

Mas o que você precisa saber nesse momento é que Bill Cosby foi muito importante para a história da televisão, e para a sociedade norte-americana.

Ele foi considerado o pai modelo da TV norte-americana. Ajudou a estabelecer a família negra bem sucedida depois de um momento onde os conflitos pela segregação racial estavam estabelecidos na sociedade tradicional.

Sem Bill Cosby (por exemplo), séries como My Wife and Kids, Everybody Hates Chris, Um Maluco no Pedaço e Black-ish dificilmente chegariam ao ar. Tudo bem, Os Jeffersons também tem papel importante nesse processo, mas Cosby era o símbolo máximo do negro bem sucedido na TV.

Ele era o exemplo para muita gente.

Era.

Não é mais.

Durante décadas, Bill Cosby adotou um comportamento profissional que muitos chamam, de forma respeitosa, de “comportamento inadequado”. Já eu usaria termos mais fortes, tal e como já utilizei contra Louis C.K., por exemplo.

O problema é que Bill Cosby era uma unanimidade, e Louis C.K., não. Cosby (na teoria) não agredia ou ofendia ninguém. E descobrir que ele agrediu, ofendeu e machucou tantas pessoas em diferentes níveis não é apenas decepcionante. Gera um sentimento amargo em todos aqueles que acompanharam a sua carreira, e sabe como ele é grande.

Dá para entender a frustração de muitos. Mas não podemos jamais ignorar tudo o que aconteceu.

Ver Bill Cosby preso por crimes de assédio e conduta abusiva é algo simplesmente chocante para quem viu ele dar conselhos paternais e lições de vida em conversas familiares. Dói para pessoas que desejavam ter aquele personagem como o próprio pai.

O desmontar de uma celebridade é sempre um processo que revira a gente por dentro. Não que eu quisesse Bill Cosby como meu pai. Mas todos os sábados eu assistia a sua série na Bandeirantes.

Com o meu pai do lado.

Boas memórias que são apagadas por causa da vida real. Infelizmente.