Confirmado: a Disney pagou preço de pinga pela Lucasfilm. Bastaram três filmes da franquia Star Wars para os US$ 4 bilhões pagos pela empresa de George Lucas em outubro de 2012 serem recuperados.

O Despertar da Força arrecadou US$ 2.068 bilhões (a terceira maior bilheteria da história). Rogue One arrecadou US$ 1.056 bilhão e Os Últimos Jedi já arrecadou até agora US$ 934 milhões com apenas 15 dias nos cinemas.

Nesse momento, Solo: A Star Wars Story está em pós-produção, e estreia em maio de 2018. O Episódio IX de Star Wars vai estrear em dezembro de 2019, e o filme spin-off de Obi-Wan Kenobi ainda não tem data de estreia definida.

E já está decidido que Rian Johnson será o responsável pela nova trilogia Star Wars, que vai se distanciar dos Skywalker. Sem falar no desenvolvimento de uma série live action e um spin-off sobre Boba Fett.

Obviamente, os mais de US$ 4 bilhões já arrecadados pelos primeiros três filmes Star Wars não foram diretos para a Disney, mesmo sabendo das exigentes condições impostas às salas de cinema e o alto lucro que o estúdio consegue com esses filmes.

A Disney gastou aproximadamente US$ 700 milhões para produzir os três filmes. Mas estamos falando de Star Wars, que gera mais receita pelo merchandising do que pelas bilheterias. Logo, é de se supor que o estúdio está fazendo montanhas de dinheiro desde o início da promoção do Episódio VII.

Agora, a Disney deve começar a explorar outra franquia forte: Indiana Jones.

O novo filme da saga estreia no verão de 2020, com Steven Spielberg como diretor e Harrison Ford como protagonista. Mas a Lucasfilm procura um protagonista de Ford a altura para seguir com essa franquia viva.