Tom Cruise. Muita gente chama ele de Tom Crazy, principalmente depois que ele ficou pulando no sofá do programa da Ellen DeGeneres, gritando e defendendo a cientologia. Mas isso não vem ao caso. Adoramos ele, principalmente quando ele corre com as mãozinhas de Batoré, na ideia de ser ‘mais aerodinâmico’, cortando a resistência do ar.

Acredite, se quiser. Mas apesar de todo o bullying que eu faço com ele e suas ações excêntricas, eu considero Tom Cruise um dos melhores atores de sua geração, e um dos melhores de todos os tempos. Poucos conseguem ser tão competentes em fazer os papéis propostos, e poucos possuem tamanha carisma junto ao público como ele tem (e sabe que tem).

Porém, depois que assumiu para si o protagonista da franquia Missão: Impossível nos cinemas (desde 1996 ele interpreta o agente Ethan Hunt), ele levou esses elementos de credibilidade de imagem para outro patamar.

Cruise se orgulha de fazer a grande maioria das cenas de ação dos filmes dessa franquia, arriscando a vida em várias oportunidades. Desde escalar o Grand Canyon sem cordas até decolar com um avião de carga, ele passa a maior credibilidade possível na atuação, mostrando que a tal Missão Impossível não é tão impossível assim.

O seu último feito nesse sentido está relacionado à isso. Agora, sabemos que Tom Cruise pode ter batido um recorde de salto em queda livre em uma das cenas do seu próximo filme, Missão: Impossível – Efeito Fallout. Há quem diga que a queda foi de mais de 7 mil pés de altura, algo que nem mesmo dublês profissionais conseguiram.

Não sabemos se tais atos mostram apenas o comprometimento do profissional Tom Cruise em seus projetos, ou se são formas de atrair a atenção de todos com sua megalomania suicida. Só sabemos que funciona, de alguma forma.

Todo mundo ama Tom Cruise de alguma forma que não entendemos. Mas é melhor assim.