Eu bem que tentei avisar. Estou batendo nessa tecla faz tempo.

The Walking Dead, série que, por anos, foi uma das maiores audiências da televisão norte-americana, teve a sua pior estreia de temporada de sua história.

O início da nona temporada registrou apenas 6.08 milhões de espectadores. Essa é a pior audiência da série desde o sexto episódio da SEGUNDA TEMPORADA.

Agora sim: morreu?

Vamos ver.

A estreia da oitava temporada registrou 11.44 milhões de espectadores. Logo, ficaram pelo caminho 5.36 milhões de pessoas, um número considerável para qualquer série de qualquer canal de TV dos EUA.

Quando olhamos para os números da demo 18-49 anos, a sangria é ainda maior. O episódio exibido no último domingo (7) alcançou a marca de 2.5, a demo mais baixa de toda a série, e exatamente a metade do que conseguiu no início da temporada anterior.

Mas os números não são a única coisa que os executivos do AMC devem se preocupar nesse momento. Toda temporada estreia com mais audiência do que os episódios seguintes. Logo, é de se imaginar que The Walking Dead supere o seu próprio recorde negativo, que ainda está nas mãos do segundo episódio da primeira temporada (4.71 milhões).

Mas o mais bizarro de tudo isso vem agora.

Essa sangria toda em The Walking Dead não impediu que a série volte a ser a mais assistida da temporada na demo 18-49 anos. Tudo bem, agora está bem fácil de superá-la, e será uma questão de tempo para ela perder o trono na TV paga.

Ou pelo menos agora a NBC pode se orgulhar por FINALMENTE ter o programa mais assistido da TV dos EUA nas noites de domingo (o Sunday Night Football).

E é impossível não vincular a perda de audiência da série com as iminentes saídas de Andrew Lincoln e Lauren Cohan do elenco. As saídas de Rick e Maggie podem atrair alguns fãs, mas tenho minhas dúvidas se essas pessoas vão ficar.

Insisto: por mais que a ganância do AMC ainda esteja mandando na sobrevivência da série, eu repito a pergunta: não passou da hora de The Walking Dead chegar ao fim?