A problematização bateu na porta de The Simpsons, e decidiram reavivar uma polêmica que se arrasta desde o final de 2017.

O comediante Hari Kondabolu estreou o documentário The Problem with Apu, onde ele analisa e critica o suposto racismo na caracterização do personagem que é classificado por Hari como “um homem branco imitando outro homem branco fazendo piadas com meu pai”, e seu impacto sobre a representação do povo do sul da Ásia na televisão.

Cinco meses depois, a própria série decidiu responder às criticas levantadas, rompendo a quarta parede e se valendo do humor peculiar da animação. No último episódio exibido nos EUA, a resposta foi dada de forma clara.

“Algo que começou há décadas e que foi aplaudido e inofensivo agora é politicamente correto… o que vamos fazer?”

Lisa lança essa alfinetada, olhando diretamente para o público antes de revelar uma foto de Apu, e como resposta à Marge, que editou um antigo livro infantil para que ele ficasse menos ofensivo, tirando sentido à obra.

A cena foi rapidamente comentada por Kondabolu no Twitter, que voltou a atacar a série, que foi acusada de ser um novo golpe ao progresso.

“Em ‘The Problem with Apu’, usei Apu e The Simpsons como pretexto para abrir uma conversa mais ampla sobre a representação dos grupos marginalizados e porque é importante. A resposta de ‘The Simpsons’ dessa noite não é um golpe dirigido à mim, mas sim ao que muitos de nós consideramos como progresso.”

Alguns responderam de forma dura a mensagem do comediante, perguntando se “ele segue chorando por causa de um desenho animado”. Mas outros tantos mostraram seu apoio, observando que a solução foi pouco engenhosa e inapropriada (no que se refere à coerência interna), colocando uma frase nos lábios da Lisa, a (supostamente) mais progressista da família.

Independente de qualquer coisa, a única coisa que podemos extrair de tudo isso é que o cerco aos limites do humor continua se estreitando, e cada vez se faz mais necessário um manual universal para fazer comédia.

Só falta combinar com o mundo todo para entrar em acordo. O que não é uma tarefa nada fácil, convenhamos.