O quão difícil pode ser envelhecer e constatar que a sua vida está chegando ao fim?

Muitos ficaram surpresos quando The Kominsky Method foi anunciada como série vencedora na categoria Melhor Série de Comédia ou Musical no Globo de Ouro 2019. Eu, inclusive. A série superou nada menos que a queridinha de todos nesse momento, The Marvelous Mrs. Maisel, sem falar que era uma série bem escondida no catálogo da Netflix.

E eu tenho quase certeza que muitos de vocês estão se perguntando se vale a pena conhecer o método Kominsky. OK, pessoas como eu existem para isso, e eu fui ver o piloto da série.

E a resposta é: sim… vale muito a pena.

Eu não sei se a minha perspectiva é positiva porque eu também estou entrando em um processo de envelhecimento. Daqui a menos de um mês eu completo 40 anos de vida, e eu me convenci que vou entrar no segundo tempo da minha existência. Ainda está longe para pensar na morte (e não sei se vale a pena pensar nisso em algum momento da vida), mas eu bem sei que, por conta de uma série de fatores que não são relevantes nesse post, eu preciso começar a viver daqui para frente de uma forma melhor e mais feliz. E que as mudanças precisam começar rapidamente.

Mas… e quando você constata que a sua vida passou, e que o processo de envelhecimento é algo inevitável?

É disso que The Kominsky Method fala.

Michael Douglas e Alan Arkin interpretam dois amigos de longa data, que estão na maturidade, e precisam encarar de frente que a jornada para eles está chegando ao fim. Especialmente quando um deles perde a esposa com a qual viveu por 47 anos. A morte é um processo dolorido para os dois por motivos diferentes: enquanto um amigo convive com o luto, o outro tenta fugir do inevitável processo de envelhecer e partir, que cada vez mais se torna presente em sua vida.

Enquanto isso, Sandy Kominsky (Michael Douglas) continua dando as suas aulas de teatro, assumindo o seu papel de ator/diretor decadente, mas resistindo ao fato de que deixou o tempo passar, ao mesmo tempo em que parou no tempo. Enquanto tenta se adaptar ao novo mundo, segue olhando para os seus alunos como elementos de crescimento. Até que as dinâmicas da vida oferecem novas possibilidades afetivas, onde ele foge do status quo de simplesmente levar menininhas fúteis para cama, e aposta em um novo relacionamento com uma mulher madura, na casa dos 50 anos, mais compatível com a sua personalidade.

A série vai mostrar como essa dupla vai crescer e amadurecer (ainda mais), diante das novas experiências e perspectivas que vão aparecer nessa fase da vida, propondo uma reflexão em como eles devem passar por esse processo, aproveitando o que existe de bom e descartando aquilo que não é tão bom assim.

E sem reclamar das dores e doenças que apareceram em função da idade avançada.

O piloto de The Kominsky Method é excelente. Eu sabia que Chuck Lorre tinha uma mão excelente para escrever textos, mas chega a ser surpreendente em como podemos perceber o quão pessoal ele foi no desenvolvimento dessa série. Sem falar que parte da visão pessoal de Michael Douglas e Alan Arkin estão em boa parte da narrativa. Afinal de contas, estamos falando de uma série que explora o olhar maduro sobre uma perspectiva de vida singular: o olhar da maturidade que tem medo do envelhecimento e da morte, mas que precisa encarar isso de frente.

Logo, o texto e a narrativa são excelentes, o humor irônico aparece nos momentos corretos, e os personagens são carismáticos e de personalidade de fácil identificação. Você se apega às diferentes histórias de vida apresentadas por essas figuras que compõem o elenco da série, e tem vontade de acompanhar mais de suas existências por causa de um piloto bem feito.

Vou conferir toda a temporada de The Kominsky Method ao longo do próximo final de semana, e escrever mais adiante um novo post, apenas para concluir se realmente ela mereceu superar The Marvelous Mrs. Maisel no Globo de Ouro 2019. Porém, independente de ser ou não melhor que a comédia da Amazon, eu já posso afirmar que, para o público mais adulto e principalmente para a turma da melhor idade, a série é mais que recomendada.

The Kominsky Method pode ser a ferramenta perfeita para abrir os olhos de muita gente sobre a importância de saber envelhecer em um mundo que avança cada vez mais rápido e de forma mais dinâmica. E quanto antes aprendemos essas lições, melhor.