O Templo Satânico processou a Netflix e a Warner Bros. por plágio e infração de direitos autorais por causa da série O Mundo Sombrio de Sabrina. A entidade solicitou uma multa de US$ 50 milhões para as duas empresas.

Porém, o processo não foi longe, uma vez que os processados e o agrupamento satânico chegaram a um acordo ‘amigável’. De acordo com as declarações dos representantes do Templo Satânico, foi dado o devido crédito para o uso da estátua de Baphomet na série. Sobre a compensação financeira, o processo prevê a confidencialidade nos valores. Já a Netflix e a Warner Bros. não comentaram o assunto.

 

 

Baphomet é uma entidade com uma história complexa, chegando a estar associada com acusações de adoração aos demônios pelo cavaleiro templário Jacques de Molay. Ela foi representada historicamente com a cabeça de uma cabra no corpo de uma mulher relacionada com Lilith, uma figura da mística judia que chegou a ser considerada como uma deusa da noite. A representação visual clássica da ideia de Baphoment é uma imagem criada por volta de 1856, por um historiador ocultista chamado Eliphas Levi.

Lucien Graves, o fundador do Templo Satânico, falou sobre o assunto no Twitter: “Assim termina uma das reclamações sobre os direitos de autor mais divulgados”. Além disso, ele pediu que as pessoas deixem de dar atenção a este caso. Algo bem difícil, pois o simples inusitado da ação já chama o interesse do grande público.

De qualquer forma, o mais importante de tudo isso é que as coisas foram resolvidas “de forma amistosa e amigável, e O Mundo Sombrio de Sabrina pode seguir o seu caminho de forma livre, sendo tão polêmica, obscura e divertida como vem sendo até agora.

Agora, convenhamos: satanás processar a Netflix… tem gente que já pensou rapidamente no Mickey. O que não seria muito distante da realidade (na opinião de muita gente).

 

Via THR