sleepy-hollow-fox-topo

E aqui estamos para comentar a primeira das novas séries da Fox. Sleepy Hollow estreou ontem (16) nos Estados Unidos, e já estreou com forte audiência, vencendo na demo 18-49 anos, derrotando a veterana Dancing with the Stars. Tudo bem que as novas comédias da CBS só estreiam na semana que vem (e aí sim poderemos medir o real interesse da audiência pela série). Mesmo assim, nada mal para uma série que fala sobre… er… o Cavaleiro Sem Cabeça.

Aos fatos. Era uma vez, em 1781, o professor/espião Icahbod Crane (Tom Mison), que ao mando do General George Washington, tinha como missão atacar um soldado desconhecido (Richard Cetrone), que utilizava uma máscara de ferro. A missão foi dada por ninguém menos que o Coronel George Washington, e durante a batalha, Ichabod é ferido pelo tal soldado. Em contrapartida, o mesmo Ichabod acaba arrancando a cabeça do soldado.

O problema é que os dois caem em um local onde atividades místicas e satânicas eram realizadas. E o sangue dos dois se fundem nesse local. Crane é dado como morto (só que não), é enterrado em um lago (onde o seu sangue e o do tal cavaleiro foi derramado), e com o passar do tempo, esse lago acaba sendo congelado.

Quase 250 anos depois, em 2013, Crane consegue se livrar do seu túmulo. Ao mesmo tempo, o tal Cavaleiro Sem Cabeça (que, na verdade, é um dos quatro cavaleiros do Apocalipse – representando a Morte) desperta do seu “repouso”, por detectar que o cara que arrancou a sua cabeça fora está transitando por aí.

Nesse meio tempo, Abbie Archer (Nicole Beacharie), tem o seu parceiro assassinado pelo Cavaleiro Sem Cabeça. Ela resolve investigar o caso ao lado de Crane, e descobre que o seu falecido parceiro investigava há muito tempo as atividades misteriosas de outras gerações na cidade – Sleepy Hollow.

Para completar, a esposa de Ichabod, Katrina (Katia Winter), está presa no purgatório, e se comunica com o marido através de sonhos, onde ela envia pistas para como solucionar o problema com o Cavaleiro, e principalmente, como ele pode encontrá-la.

Em resumo: se o Cavaleiro Sem Cabeça (que representa a morte) não for detido, estamos todos ferrados.

sleepy-hollow-03-head

Eu sei. Parece o samba do cavaleiro sem cabeça doido. E é. Mas poderia ser muito pior. Eu imaginava que Sleepy Hollow seria uma grande porcaria pelos promos apresentados no meio do ano. Continua sendo uma série que, ou você compra essa história toda, entrando de cabeça no mundo da fantasia, ou você vai desistir na primeira cena que o tal Cavaleiro Sem Cabeça aparece caminhando de um lado para outro.

Por sinal, o Cavaleiro Sem Cabeça é uma espécie de “Terminator”. Nada para esse cara.

De qualquer forma, o piloto não escorrega nos efeitos visuais (o que eu já considero uma vitória dentro desse plot), tem as já tradicionais mortes a troco de nada, deixa o plot twist que vai trazer muita gente para o próximo episódio… tem até algumas piadinhas entre o espião que ficou dormindo mais de 200 anos com a policial novata que, pelo visto, tem tudo a ver com os acontecimentos paranormais de sua pequena cidade.

Olha, o meu resumo de Sleepy Hollow é: assista ao piloto. Quem sabe você goste da proposta da série. Eu não gostei porque, definitivamente, não consigo engolir a premissa geral da série. Mas eu sei que, nesse caso, o problema é comigo. Como disse, o piloto da série me surpreendeu por ser melhor que eu esperava. Mas entendo que vai ter gente que vai adorar logo de cara, como tem gente que vai detestar com 10 minutos de piloto.

Aliás, me lembrei muito de Grimm ao ver esse piloto de Sleepy Hollow. Imaginava mais uma série como essas sendo feita pela NBC, e não pela Fox.

E o mais importante: estou curioso para ver como será a sua audiência na semana que vem.