É a temporada mais polêmica da história de Game of Thrones. The Bells é mais um episódio da oitava temporada que revoltou muita gente. Era outro evento muito esperado, e gerou tanta confusão que, em quase 90 minutos, suas decisões questionáveis de roteiro transformaram Daenerys de personagem mais louvado para o mais odiado da série.

Mas… de forma justa? Não era para ser sempre assim?

Tudo ia bem nesse episódio. Sangue e batalhas, bem do jeito que os fãs queriam… até que Daenerys Targaryen entra no modo PIS-TO-LA FULL FIRE AND BLOOD, e destrói tudo em King’s Landing com a ajuda do seu dragão.

Todo mundo ficou com cara de “que p*rr* é essa, minha senhora?”.

Esse é o pior cenário possível para a narrativa da série, e isso é um problema para a série como um todo. Por que? Seria uma traição ao personagem ou um plot twist safado? Era o final que todos se negavam a reconhecer que aconteceria ou veio do nada?

 

 

A explicação dos roteiristas de Game of Thrones

 

 

No episódio de bastidores do S08E05 de Game of Thrones, David Benioff e D.B. Weiss tentam justificar o arco de Daenerys apelando para dois fatores: sua frieza diante dos inimigos e as pessoas que a traíram, além do seu processo de isolamento e perda de entes queridos nos últimos episódios.

Palavras de Benioff:

“Dany é uma personagem incrivelmente forte, que também teve amizades e aliados muito próximos ao longo de toda a série. Ver essas pessoas que foram os mais próximos dela por tanto tempo e quase todos a traindo ou morrendo, faz com que ela se sinta muito só. E se sentir assim, isolada, é algo perigoso para alguém com tanto poder. No final, quando ela mais necessita de um guia e desse tipo de conselhos e amizades, essas pessoas não estão ali. (…)

Se as circunstâncias fossem diferentes, eu não acredito que veríamos esse lado de Dany. Se Cersei não tivesse traído ela, se não tivesse executado a Missandei, se Jon não tivesse contado a verdade para ela, se tudo isso tivesse acontecido de forma diferente, então não teríamos visto este lado de Daenerys Targaryen.”

Por outro lado, Weiss tenta explicar o que fez a mente de Daenerys entrar em tilt e pirar de vez:

“Não creio que planejei que ela ia fazer o que fez… e então ela vê a Fortaleza Vermelha, que é para ela o lar que a sua família construiu na primeira vez que eles vieram para o país, há 300 anos. É nesse momento, nas muralhas de King’s Landing, quando ela olha esse símbolo de tudo o que ela perdeu, é que ela toma a decisão de tornar tudo aquilo algo pessoal.”

Apesar da explicação dada pelos diretores envolverem elementos visíveis na narrativa da série, está claro que muita gente não gostou dessa execução do processo mental da personagem. É compreensível o modo genocida da rainha dos dragões, mas a matança tão repentina e desigual foi algo inesperado para muitos.

Por outro lado, algo perfeitamente previsível, diante dos fatos apresentados.