Havana, Uh na na!

Camila Cabello foi do desastre ao triunfo. Venceu o prêmio mais importante do MTV Video Music Awards 2018, o Videoclipe do Ano, com “Havana”. Não podemos dizer que não mereceu: apesar de considerar “This Is America” de Childish Gambino um baita de um videoclipe, não posso negar que a música da Camis Hair foi uma das mais tocadas dos últimos 12 meses, e é basicamente o “essa sou eu” da moça em relação ao mundo.

Camila é de origem latina, e é uma das primeiras artistas da geração “dreamers”, ou seja, é filha de imigrantes latinos que desejam vencer nos Estados Unidos. A cantora é defensora dessa causa com unhas e dentes, e sabe que, nesse momento, representa boa parte dos adolescentes latinos norte-americanos, que também lutam para viver a prosperar no país.

Outro motivo bem sustentável para tornar essa vitória de Camila Cabello no VMA algo significativo é o fato da própria MTV entender que o momento é dos jovens norte-americanos consumirem mais música latina, por conta do “fenômeno Despacito”. Tudo bem, muitos entendem que os norte-americanos, no fundo, nunca deixaram de ter a latinidade nos gostos musicais, pois é um fenômeno que vem e vai com o passar das décadas.

Por outro lado, esse é o momento mais forte para a música latina dentro dos aspectos comerciais. E a prova disso é que nunca tivemos um VMA tão latino nos seus vencedores, incluindo aquele realizado em Miami em 2005, onde a MTV fez de tudo para emplacar a música latina junto à sua audiência.

Por fim, o fator shade. O fator troco. O fator vingança contra o grupo Fifth Harmony.

Camila Cabello não teve uma saída da banda das mais amigáveis, e foi vítima de shade por parte das coleguinhas no próprio palco do VMA, quando ela foi “ejetada” do Fifth Harmony durante uma performance.

Pois bem… nem mesmo a defesa aberta de Nicki Minaj à Normani surtiu efeito. Camis Hair pode dizer que foi vingada pelo bullying gratuito contra a sua pessoa com o prêmio de Videoclipe do Ano. Algo que o Fifth Harmony nunca chegou perto de ter, e jamais terá (já que a banda não existe mais).

Ou seja, tem muitos Harmonizers chorando lágrimas de sangue nesse momento.

Ou os mais conscientes comemoram a vitória de Camila Cabello, a moça que foi do desastre ao triunfo contando uma brega história de amor em Havana.

 

 

Comentários

Comentários

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui