robocop

Peter Weller, o agente Alex Murphy em RoboCop, comentou em entrevista como foi o seu processo para ser o protagonista do filme de Paul Verhoeven. E não foi nada simples.

Prepare-se para um relato cheio de emoções e mentiras.

Weller soube que Paul Verhoeven estava fazendo um filme sobre robôs pelo seu agente, Rick Nicita, e na hora afirmou que este seria um filme sobre algo mais do que robôs.

Quando Weller se encontrou com Paul, a primeira coisa que o ator disse é que RoboCop seria um filme operístico, com uma história pequena, como todos os filmes desse diretor. Paul questionou como ele sabia isso, e Weller respondeu que viu todos os seus filmes. E então os dois começaram a conversar sobre contar pequenas histórias pessoais ambientadas.

Os dois se encontraram novamente, e logo Paul queria apresentar Weller ao casting. Mas o ator não fazia audições porque não via muito sentido nisso. Ele mentia muito para conseguir os papéis, e mentiu de novo para fazer RoboCop. E deu sorte, pois tudo o que precisou fazer para obter o papel é copiar os movimentos da coreógrafa, que criou o andar do RoboCop.

 

 

Além disso, na mesma época do processo de seleção para protagonista de RoboCop, Weller recebey a oferta para fazer o reboot de King Kong, pelas mãos de Dino de Laurentiis. Decidiu falar com Dino, pois não tinha nada a perder (na verdade, ele achava que iria ganhar uma oferta de sete dígitos para fazer esse filme).

Quando Weller e Dino conversam, o diretor pergunta quanto ele quer para não fazer o filme de robôs. Na lata. Duas horas de conversas depois, Weller recebia a oferta final para RoboCop. E o resto é história.

 

 

Foi a melhor decisão que Weller tomou em sua vida. Tudo bem, ele não ficou milionário como sempre sonhou, mas ao menos ficou eternizado em um clássico que entra na lista dos melhores filmes de todos os tempos.