Eu já estava planejando rever Os Normais – O Filme em algum momento no futuro, mas aproveitei a visita de uma amiga para unir o útil ao agradável. Talvez pela motivação em esperar pelo Sai de Baixo – O Filme (ok, eu não estou esperando desse filme a melhor comédia do ano, mas eu tenho os meus guilty pleasures), ou porque eu queria dar algumas risadas vivendo em um Brasil totalmente desanimador, lá fui eu assistir ao filme e comprovar se ele ficou datado ou não.

Fato é que o filme de 2003 tem a sua história ambientada em 1996, mostrando as origens do casal Rui (Luis Fernando Guimarães) e Vani (Fernanda Torres), apresentando os inusitados eventos que resultaram na união desses dois personagens que, por três temporadas e 71 episódios, mostraram ao Brasil como nós somos normais diante do comportamento surreal que a dupla apresenta em situações inusitadas ou até mesmo por causa de situações banais que se transformam em problemas gigantescos.

Eu sempre gostei dos textos produzidos pela dupla Fernanda Young e Alexandre Machado. São textos ágeis, que exigem um pensamento mais rápido, trabalhando o tempo todo com a ironia e a cretinice. Ao mesmo tempo, mesmo com diálogos inteligentes, são falas acessíveis para qualquer pessoa, independente do nível intelectual do espectador. É um texto que exige elenco competente, e no caso desse filme, competência é o que sobra para os quatro principais atores do filme.

 

 

Os Normais – O Filme é uma história que soube envelhecer sem ser datada. O que manda nessa história são as situações inusitadas, que são atemporais. Apesar de algumas poucas referências que remetem à época em que a história acontece, a grande maioria das encrencas em que Rui e Vani se envolvem podem acontecer com qualquer pessoa, a qualquer momento.

Isso ajuda a estabelecer uma maior identidade ou empatia com o filme. Rever o longa não foi uma tarefa cansativa. Pelo contrário: diferente de outras histórias (como o Sai de Baixo por exemplo), Os Normais – O Filme não tende a ficar datada pelas já citadas situações que o filme apresenta. Ser uma comédia de situação ajuda e muito nesse caso, e toda a competência do elenco entrega por fim uma experiência excelente para quem simplesmente quer se divertir.

Os Normais – O Filme ainda é um ótimo filme. Uma comédia com situações absurdas e piadas inteligentes. É uma ótima opção para quem quer ver alguma coisa das antigas durante o verão. É o tipo de filme que desenvolve bem ao longo de 1h40 de longa, sem a tendência de cansar o espectador com o excesso de cretinices e sem perder o ritmo com o avançar da trama.

É uma pena que o segundo filme não segura o ritmo do primeiro, mas falo mais sobre ele em outro momento. O mais importante agora é você, que ainda não sabe do que Rui e Vani são capazes porque é novo demais para se lembrar da série de TV que foi exibida pela Rede Globo, Os Normais – O Filme é a melhor forma de você conhecer algo que valeu a pena desembarcar na TV brasileira.

O filme é um acerto. Pode ver sem medo. Uma das boas comédias que o cinema brasileiro pode incluir na lista das melhores.