Você, membro da geração Millennial que acredita que liberdade de expressão é ver o seu youtuber fazendo pegadinhas absurdas e experimentos escatológicos no seu canal de vídeos na internet, saiba que aquele invento que você nem sabe mais o que é chamado televisão fez isso muito antes. 20 anos antes.

A MTV, enquanto ainda era um canal de música (se bem que entendo que o início do fim da era musical do canal foi nessa época), tinha uma programação de entretenimento e variedades na faixa noturna, com séries como Real Life, animações como Beavis and Butt-Head e programas de entretenimento como Jackass.

 

 

Quando Johnny Knoxville decidiu colocar em prática a louca ideia de testar nele mesmo elementos como gás de pimenta, pistolas de thaser e balas (de borracha, de chumbinho ou de verdade), ele mal imaginava que estava à frente do seu tempo. Se hoje temos canais de YouTube fazendo desafios de gosto duvidoso (mas com audiências enormes), é porque um dia existiu o reality Jackass.

O programa é, até hoje, uma das experiências televisivas mais selvagens e indomesticadas da história. Knoxville e sua trupe de desajustados fizeram história na MTV, com três temporadas e três filmes que mostram o mais absurdo do comportamento humano. Algo que, por algum motivo que sinceramente eu não consigo explicar, era hilário para muita gente. Sim… o ser humano se diverte vendo o outro se ferrar com quedas, pancadas e auto mutilações.

 

 

Hoje, muita gente vê Jackass com certo saudosismo. Pois não era o ato imbecil sem propósito. Toda a idiotice praticada no programa era muito bem pensada, com elementos desumanos inseridos em detalhes, sempre tentando vender a filosofia do “tudo o que você vê no cinema e na televisão é mentira”.

Os feitos de Johnny Knoxville, Steve-O, Bam Marguera, Jason Acuña e outros se transformou na essência da cultura pop mais extrema, e perdura até hoje em um mundo muito mais conectado e dinâmico. Os 20 anos de Jackass mostram o lado irreverente e idiota do ser humano, revelando mais sobre nós mesmos do que o próprio programa poderia prever.

E podemos muito bem refletir sobre tudo isso, mas também celebrar um feito histórico na televisão.