ally mcbeal

Em 8 de setembro de 1997, a Fox estreou uma dramédia jurídica focada em uma jovem adulta com várias crises existenciais, cercada de amigos excêntricos, mas que, no final, todos se entendiam ou se comunicavam através da música. Ally McBeal é uma das séries mais importantes do canal da raposa por vários motivos, e lembrar os seus 20 anos de vida em uma semana do Emmy Awards não é uma mera casualidade.

A série mostrava a vida de Ally McBeal (Calista Flockhart), mulher solteira na faixa entre 25 e 30 anos, que decide viver e trabalhar em Boston no escritório de advocacia dos seus dois colegas de faculdade, John Cage (Peter MacNicol) e Richard Fish (Greg German). O que ela não esperava era encontrar como colega de trabalho o grande amor de sua vida pregressa, Billy Thomas (Gill Belows). Pior: constatar que ele seguiu em frente, com outro relacionamento, Georgia Thomas (Courtney Thorne-Smith). Pior ainda: Georgia também será sua colega de trabalho.

A série pode ser vista hoje como uma comédia água com açúcar. E, de fato, ela é. Mas isso não exclui nem de longe a sua validade. Pelo contrário.

O aspecto novelesco da trama (que desenvolvia o seu plot principal ao longo de uma temporada) conquistou o telespectador norte-americano de imediato, se tornando um megahit da Fox, criando inclusive um forte sinal de identidade do canal com o público mais jovem, tal e como a CW tem hoje.

Sem falar que os elementos musicais, sempre adicionados de forma pontual e relevante na série, fizeram com que Ally McBeal tivesse um ar totalmente singular e diferente de tudo o que era exibido na TV naquela época. A trilha sonora dessa série é impecável, tanto nas canções escolhidas de astros do porte de Barry White e Michael Jackson, como na trilha sonora original, composta por Vonda Shepard.

Resultado: esta é a primeira série da história da Fox a vencer um Emmy Award na categoria de melhor série, seja de comédia ou de drama (depois, 24 Horas fez o mesmo). Foi a primeira vez que uma dramédia de 60 minutos venceu a categoria de comédia, e até hoje é a única série de 60 minutos a ser eleita como melhor série de comédia.

Não é pouca coisa.

 

 

Ally McBeal virou um fenômeno cultural do norte-americano médio. No estilo de vida, na proposta de levar para a TV uma mulher solteira e independente com carreira consolidada, mas um fracasso na vida amorosa e, mesmo assim, mostrando que isso não era o mais importante na vida. Fez a carreira de muita gente boa decolar na TV e no cinema.

A Fox bem que tentou explorar ao máximo a boa imagem de Ally McBeal, lançando um spinoff em formato de 30 minutos chamado Ally, mas durou apenas uma temporada.

De qualquer forma, as cinco temporadas e 100 episódios da série foram suficientes para posicionar Ally McBeal como uma das melhores séries da década de 1990, e uma das mais importantes da história da TV norte-americana. É uma ótima pedida em temos nostálgicos para se ver e rever.

No meio de tantos casos absurdos que apresentou, mostrou parte dos nossos devaneios cotidianos. Sempre ao som de boa música.