A vitória de Green Book no Oscar 2019 como Melhor Filme deixou um gosto agridoce na boca de muita gente. O muito mais visceral Infiltrado na Klan de Spike Lee merecia mais o grande prêmio, mas o filme de Peter Farrelly contava com defensores e detratores. E o segundo grupo aumentou consideravelmente nas últimas semanas.

Um dos argumentos lançados contra o filme foi a forma de abordar o racismo, e o apresentador Seth Meyers levantou a bola para esse tema como “trailer” humorístico de White Savior: The Movie.

O apresentador do Late Night with Seth Meyers aproveitou a popularidade de Green Book para fazer uma esquete que revisa alguns dos tópicos que alguns filmes abordam para tratar do tema do racismo nos cinemas. Entre eles, uma presença muito notável do homem branco quando o verdadeiro protagonista da história é um homem ou uma mulher negra. Por diversas vezes.

 

 

Um problema muito presente em Hollywood

 

 

Meyers mostra no vídeo que o problema não está presente apenas em Green Book. Vários outros filmes apresentaram esse mesmo problema ao longo de mais de um século de cinema. Essa é uma forma inteligente e válida para incindir em um aspecto que afeta a credibilidade de tais filmes.

Muitas coisas merecem destaque no vídeo, mas o meu momento preferido é quando é dito que, por algum motivo, a protagonista está interessada no respeito do personagem que mais encarnava o racismo até então, e que também não vai se apaixonar por Meyers porque isso não agradou a audiência de testes do filme.

Eu entendo que as críticas que Green Book está recebendo são um pouco exageradas. O filme, dentro do que se propõe a contar, é ótimo. Porém, tudo o que Meyers aponta como problemas é algo correto e válido, e tais problemas estão presentes em Green Book.

O mais importante de tudo isso é que todos comecem a fazer uma profunda reflexão sobre a existência desses problemas no cinema de Hollywood, e que soluções para esses problemas comecem a aparecer em função de um debate mais amplo e inteligente.