Recentemente, a Warner Bros. recebeu da Netflix a bagatela de US$ 100 milhões para manter os direitos de Friends na plataforma de streaming por apenas um ano (o último acordo tinha o mesmo valor, mas previa quatro anos de exibição).

Baseado nisso, a NBCUniversal começa a esfregar as mãos e sorrir, pois agora sabemos que The Office, produzida pelo estúdio, é a série que hoje mais gera horas de visualização dentro da Netflix. E o exemplo de Friends mostra claramente isso é ouro (que vale mais do que dinheiro, tal e como Silvio Santos ensinou para todos nós).

Isso passa a ser mais interessante com os rumores sobre um possível serviço de streaming próprio da Universal. A moeda de troca aqui aumenta, uma vez que está claro que a Netflix pode estar disposta a pagar fortunas por uma série que ainda dá audiência dentro do seu serviço. E tudo isso para agradar o seu assinante.

 

 

O que manda é os números. Sempre!

A Warner deve anunciar o seu serviço de streaming próprio nos próximos meses, e muito provavelmente Friends estará no seu catálogo (diante dos fatos apresentados, por que não estaria?). De qualquer forma, não está claro se a Warner ficaria com a série de forma exclusiva, ou se estaria disposta a negociar com a Netflix uma exibição compartilhada da série.

Além disso, o valor de Friends foi tão alto porque outras plataformas estava de olho nos direitos da série. Hulu e Apple (a segunda ainda não tem um serviço de streaming, mas… faças as contas…) também estavam interessados na série, só que a Hulu não estava disposta a pagar US$ 30 milhões por ano da série, menos do triplo do que a Netflix aceitou pagar.

Já no caso de The Office, o tempo pode responder essa pergunta, e em dois aspectos. O tempo em si (vamos deixar o tempo passar) e o tempo que a série ficará esperando pelo lançamento do serviço de streaming da NBCUniversal.

Além disso, por mais que eu goste da série, eu entendo que The Office não tem o mesmo peso mediático que Friends possui até hoje. A série do escritório de papel nunca foi uma campeã de audiência, nunca foi destaque nas premiações, e é quase um cult junto ao público fã de séries.

Por outro lado, a audiência que mais se alinha com a proposta de The Office está mesmo na Netflix, e isso tem sim relevância em uma futura escolha. No final das contas, o que manda é o quanto a série é assistida, e se a audiência é tão grande assim, não é nenhum absurdo pensar em um caminhão de dinheiro para a sua futura renovação na plataforma de streaming mais popular do planeta.