Muita gente não sabe, mas quando a Netflix nasceu em 1997 nos Estados Unidos, ela era uma videolocadora virtual, onde os usuários escolhiam pela internet os filmes que queria assistir, e a empresa despachava os DVDs pelos correios ou serviço de entrega rápida. Já os filmes assistidos eram devolvidos pelo usuário quando ele recebesse os novos filmes solicitados, com os custos de devolução ficando por conta da própria Netflix.

Hoje, a Netflix é a principal plataforma de streaming do planeta, e praticamente matou a videolocadora. Mas ainda não matou o formato de entrega de DVDs em domicílio idealizado pela própria Netflix.

 

 

O aluguel de DVDs da Netflix sobrevive

 

A Netflix obteve lucros nada depreciáveis de US$ 212 milhões em 2018 com esse formato. E várias razões explicam esse fenômeno.

Quem mora em grandes cidades usa uma série de serviços que exigem uma grande largura de banda. Mas quem mora em cidades pequenas e regiões rurais, não contam com uma internet boa o suficiente para usar a Netflix com uma boa experiência de uso. Pelo menos 24 milhões de norte-americanos não contam com uma internet banda larga boa o suficiente para reproduzir vídeos por streaming. Já o serviço postal do país funciona muito bem, e sem o aluguel de DVDs, essas pessoas jamais poderiam usufruir dos serviços da Netflix.

O mais curioso é que até mesmo os cidadãos das grandes cidades e com banda larga de boa qualidade preferem alugar os DVDs por causa da variedade de títulos. Nos Estados Unidos, enquanto a Netflix oferce um catálogo online de 6.000 títulos, o seu catálogo físico ultrapassa os 100 mil títulos. E, diferente do que imaginamos, o foco da Netflix com o serviço de aluguel de DVDs ainda está nos núcleos urbanos.

 

 

 

Um sistema perfeito para o cinéfilo de hoje em dia

 

O fã do cinema encontra no catálogo online da Netflix uma baixa variedade. Um terço do catálogo é de conteúdos que estão disponíveis na TV a cabo, como realitys e séries. E, diferente do Spotify, que tem quase todas as canções já criadas, na parte de filmes, a plataforma é excessivamente fragmentada, já que os direitos de filmes relevantes estão divididos com outras plataformas como Hulu, Amazon e Disney.

Além disso, apenas a Netflix ainda conta com uma certa variedade no cinema clássico. E isso faz com que quase 3 milhões de cinéfilos sigam preferindo o antigo sistema de aluguel de vídeos, algo que muitos usuários da nova geração entendem que é coisa do passado.

 

Via CNN