mtv vma 2017

O MTV VMA 2017 tinha uma missão importante: ser a porta de entrada da volta da música na MTV.

O MTV Unplugged re-estreia em setembro, e o TRL volta ao ar em outubro. Logo, o VMA, que não tem relevância alguma nesse momento junto ao público que hoje consome música, serve para trazer de volta esses dois símbolos da época onde a MTV tocava música.

Nesse post, faço um resumo de tudo o que vi na premiação.

 

 

Confesso que eu não conhecia quem era Cardi B, mas atentei ao fato dela não conseguir sequer dublar direito a própria música. Isso, e o fato dela querer ser uma Nicki Minaj wannabe.

Aliás, a MTV aproveitou o tapete vermelho (nesse caso, azul) para apresentar os cinco novos apresentadores do reboot do TRL. É curioso ver que nem a audiência norte-americana conhece essas personalidades (algumas delas vindas da internet), e em como o apego ao Carson Daly é forte.

 

 

O MTV VMA 2017 começou pra valer com Kendrick Lamar, o artista mais indicado da noite, com 8 menções nas diversas categorias. Ellen DeGeneres parecia curtir o show dele. Até porque colocar um cara pegando fogo no palco por quase um minuto sempre chama a atenção de qualquer um, convenhamos!

 

 

Na verdade, Kendrick Lamar descobriu o fogo por todos nós!

 

 

Pela quantidade de nomes com performances confirmadas, tudo indicava para um VMA com muito mais música do que vencedores anunciados. E, por falar em performance, Ed Sheeran mostraou coragem ao cantar ao vivo e em um tom acima do que Shape of You originalmente está gravado.

 

 

Katy Perry incorporou mesmo a “moonwoman”, já que este era o tema do VMA 2017. Talvez as piadas sobre 2016 ser algo tão velho não pegaram muito bem com os presentes.

Na verdade, o problema do “muita gente pra cantar” foi resolvido com “os menos conhecidos serão cortados pelos comerciais”, com a MTV convidando a audiência para correr para o site da premiação para ver a performance completa.

 

 

Adam Levine tem razão. Mas eu falo disso daqui a pouco.

 

 

Um dos melhores momentos da noite foi ver o Fifth Harmony se livrando de Camila Cabello de uma vez por todas. É o VMA moleque, VMA raiz que tanto amamos se fazendo presente.

 

 

E veio o novo videoclipe de Taylor Swift, “Look What You Made Me Do” (estreia exclusiva da MTV, algo que não acontecia a algum tempo). Me pergunto para quem foi o recado dessa vez. A lista é enorme. Mas é um recado claro: a velha Taylor Swift morreu. Vai assumir a imagem de bad bitch de vez.

Se bem que já tinha feito isso em Bad Blood. Mas agora é literalmente.

Aqui, a MTV foi bem esperta: estreou o novo videoclipe de Taylor Swift para o mundo todo 30 minutos antes do começo do season finale de Game of Thrones (HBO).

 

 

Miley Cyrus volta ao palco do VMA depois de fazer um twerk em certas partes do Robin Thicke (o que gerou o divórcio do moço), mas dessa vez, apresentou a ótima “Younger Now”. Uma grande letra, uma grande canção… e uma performance bem mais comportada.

 

E a Lorde?

 

 

De novo, a moça não é rock nem por um cacete, acho ela superestimada e, para completar, não é mais capaz de cantar a própria música? Que p**** é essa?

 

 

P!ink, altamente inspirada (talvez pelo próprio show que fez no VMA), recebeu o Michael Jackson Prêmio de Vanguarda, e fez um ótimo discurso baseado em uma conversa com a sua filha. O recado? Nunca mude!

 

 

Logic, Khalid e Alessia Cara fizeram uma mega performance de uma canção que divulga a campanha de prevenção ao suicídio, cujo título é o número do grupo de apoio: “1-800-273-8255”. Mais uma vez, o discurso pela igualdade e respeito às diferenças foi abordado na premiação.

 

 

E teve o Thirty Seconds to Mars e o sempre esquisito Jared Leto, com performance capturada integralmente com câmeras com sensor de calor. É, bem a cara do novo Coringa mesmo…

 

Mais uma vez, a MTV deu voz para a minoria. Chamou ao palco do VMA um reverendo PARENTE do militar confederado/racista da Guerra Civil norte-americana para falar contra a supremacia branca, e a mãe de Heather Hayes, moça que foi assassinada ao ser atropelada por um nazista nos eventos em Charlotesville, para divulgar a ONG que combate o ódio nos EUA.

 

 

DNCE com Rod Stewart simplesmente ARRASARAM!

 

 

No final das contas, Kendrick Lamar foi o grande vencedor da noite, vencendo inclusive o principal prêmio da noite, o Videoclipe do Ano.

 

 

Katy Perry e Nicki Minaj fizeram a performance final… mas sem a Gretchen #fail.

 

 

Em resumo: o MTV VMA 2017 foi regular. Não teve um grande momento WOW. Algumas sambadas na cara da sociedade (como já é normal acontecer), mas nada comparado ao falatório que Miley Cyrus rendeu nos últimos anos.

 

Para conferir a lista completa de vencedores, clique aqui.