inumanos

Fãs, entendam uma coisa: por mais interessante que a mitologia dos Inumanos seja, a Marvel nunca ligou pra ela. Sim, ela pode ser boa, mas nunca foram personagens de primeira linha.

Talvez por isso que Inhumans tem um certo ar de flop total. E a ABC reforçou essa impressão.

A Disney/Marvel rebaixou o projeto de filme para série de TV, e apostou em estrear o episódio duplo nos cinemas IMAX, que obteve uma estimativa de arrecadação de US$ 2.6 milhões. Na TV, o episódio alcançou 3.78 milhões de espectadores, com uma demo 18-49 anos de apenas 0.9. O que não é ruim para uma série exibida nas sextas.

Inumanos começa com uma perseguição que elimina Triton (Mike Moh), membro da família real inumana. Então, migramos para a cidade onde habita a maioria dos inumanos, onde conhecemos os dirigentes dessa singular espécie: Raio Negro, Medusa, Crystal e Karnak.

Maximus (Iwan Rheon) adverte a família real sobre o desaparecimento de Triton na terra. Isso fará com que Gorgon, chefe de segurança real, seja enviado para a última localização conhecida de Triton, para tentar encontrá-lo.

Então, o irmao de Raio Negro inicia um golpe de estado, que será impedido por Crystal e Mandíbulas, o cachorro teletransportador. E a trama segue.

 

 

O piloto de Inumanos levanta a questão: por que ainda dão trabalho para Scott Buck, que tem um Punho de Ferro questionável, e um Dexter com últimas temporadas desproporcionais.

É um dos piores pilotos da temporada, e uma das piores coisas que a Marvel fez na história, sem medo de errar. Não é que a série é chata. Nem ruim. Ela é um oceano de mediocridade e de decisões questionável.

A história em si não é ruim. É a primeira parte de um arco de queda e augue com a história da traição de Maximus que funciona. O problema é o resto. O piloto, que era filme, e depois teve partes apagadas porque alguém se lembrou que era uma série, logo, eles não podiam contar tudo em duas horas e meia, já que tinham oito episódios para contar essa história.

Resultado: uma história com uma colcha de retalhos.

O desenvolvimento dos personagens morre antes de seguirem tentando. Os flashbacks para tentar aprofundar os personagens acabam sendo imagens sem sentido, limitando muito esse desenvolvimento. Nem mesmo Iwan Rheon consegue se destacar como vilão, e olha que ele não vai mal na missão.

 

 

Inumanos deixa muito a desejar. Há alguns pontos bons e esperançosos, que são muito mais resultado da “aura Marvel” do que pela qualidade da produção em si. A pior parte é que a série deixa a sensação que a Marvel queria a todo custo uma série com esses personagens, não importa a que custo.

O pior de tudo? É a Marvel que deve ter a última palavra de tudo. Afinal, é a Marvel que mantém Agents of SHIELD no ar sem grande audiência.

Se bem que, ao meu ver, só um milagre garante Inumanos além do oitavo episódio. Isso é, se ela não for cancelada antes.