Que os críticos norte-americanos não gostam de uma comédia, nós bem sabemos. Mas no caso de Holmes & Watson, eles podem ter uma boa dose de razão. O filme protagonizado por Will Ferrell e John C. Reily estreou no dia de Natal nos Estados Unidos, e recebe críticas pesadas de todos os lados.

É tão ruim, que recebeu 5% nas avaliações do Rotten Tomatoes. Uma leve melhora em comparação ao escandaloso 0% que registrou em 26 de dezembro. E só piora a situação quando descobrimos que a Netflix se recusou a receber o filme em sua plataforma. Afinal de contas, o serviço de streaming já conta com nomes com os irmãos Coen, Alfonso Cuarón, Martin Scorsese e “o maior de todos”, Adam Sandler.

E isso porque estamos falando de uma Netflix que, mesmo contando com os nomes citados no parágrafo anterior, tem a má fama de não escolher muito bem os seus projetos cinematográficos. Só em 2018 o longa Roma parece ter quebrado esse paradigma, pois trabalhos como Bird Box, Bright e Aniquilação ainda dividem opiniões.

De qualquer forma, nos caso de Bird Box, não podemos dizer que este filme não é um sucesso de alguma forma. Afinal de contas, ele foi assistido por mais de 45 milhões de assinantes na sua primeira semana. Logo, não dá para imaginar que Holmes & Watson ficou de fora da plataforma apenas porque é ruim. A Sony pode ter pedido dinheiro demais pelo filme.

Mas vamos olhar para os números da comédia sobre Sherlock.

Holmes & Watson arrecadou US$ 12 milhões nos seus primeiros dias de bilheteria nos EUA (teve um orçamento de US$ 42 milhões). Nesse caso, a má notícia para a Sony não são as críticas ao filme, mas sim o fato do espectador não gostar da paródia. Há relatos de espectadores abandonando as salas de cinema antes do final do filme, e relatam isso abertamente nas redes sociais.

Ou seja, mesmo que Holmes & Watson eventualmente se pague em casa (algo que já é bem difícil), o filme pode sim ser considerado o maior fracasso comercial de 2018. Mesmo estreando no final do ano.