Em 15 de setembro, o genocídio no Camboja vai chegar aos cinemas, com First They Killed My Father: A Daughter of Cambodia Remembers, filme dirigido por Angelina Jolie pela Netflix.

O longa vai estrear no mesmo dia nos cinemas norte-americanos e na plataforma de streaming. Assim, Jolie se une a outros diretores, como Martin Scorsese e os irmãos Coen.

A Netflix foi alvo de críticas no Festival de Cannes, depois que os filmes Okja e The Meyerowitz Storeis foram indicados à Palma de Ouro, justamente por esses longas não alcançarem as salas de cinema.

Tilda Swinton, uma das protagonistas de Okja, defendeu a Netflix, afirmando que a maioria dos filmes que levaram prêmios em Cannes também não estavam nos cinemas, enquanto que a plataforma de streaming permite que milhões de usuários vejam filmes que normalmente não assistiriam na grande tela.

Já Christopher Nolan não se importa muito com a Netflix, achando que é apenas uma moda. Hoje, a Netflix está presente em quase 200 países, com mais de 90 milhões de assinantes. Tem conteúdos originais no mesmo volume da HBO. Só isso.

Mas o filme de Angelina Jolie parece resolver a questão, dando a alternativa para quem quer ver o filme no cinema ou em casa. Nolan e Pedro Almodóvar criticam a estratégia, mas as distribuidoras de cinema cada vez mais consideram tal alternativa.

20th Century Fox, Warner Bros e Universal Pictures afirmam que as plataformas de vídeo on-demand premium (PVOD) podem ser uma realidade em breve, com preços entre US$ 30 e US$ 50 pelo streaming das estreias dos filmes, que estaria disponível pouco depois de sua estreia nas salas.

A ideia aqui é compensar a baixa receita gerada pelas vendas de DVDs, e a assustadora queda do público nas salas de cinema.

A iniciativa é cada vez mais realista. Os modelos de negócio e o impacto para as empresas ainda precisam ser avaliados, mas tudo aponta para o streaming como o futuro do cinema doméstico.

First They Killed My Father conta a dura realidade da segunda metade dos anos 70 no Camboja, país natal de um dos seus filhos adotados, Maddox Chivan Jolie-Pitt. O filme é uma adaptação das memórias da ativista Loung Ung durante os anos de ditadura. Através da perspectiva de uma criança de cinco anos, o filme mostra a fome, as execuções e os trabalhos forçados entre 1975 e 1979, onde morreram aproximadamente 1.7 milhão de pessoas.

First They Killed My Father tem estreia global na Netflix em 15 de setembro, e em algumas salas de cinema dos Estados Unidos.