Nos Estados Unidos, as pessoas estão com cada vez menos tempo para fazerem aquilo que elas gostam e no (pouco) tempo que elas dispõem. E com as séries de TV, esse tempo é ainda menor.

São inúmeras produções para assistir, e é algo humanamente impossível acompanhar todas elas de forma decente, ou com a mínima atenção que cada produção merece, inclusive as séries que nem são tão boas ou dignas de receber qualquer tipo de atenção da nossa parte (não vou citar nomes, porque não quero incitar os haters).

Primeiro, os usuários começaram a assistir os episódios em uma velocidade 1.5x maior do que o original. Isso permitia que os episódios sejam exibidos em um tempo consideravelmente menor do que o original, e ainda assim os diálogos sejam compreensíveis. Eu mesmo utilizo essa tática para algumas séries e filmes, e pode ser uma excelente estratégia para os mais atrasados com Game of Thrones, e quer completar as temporadas exibidas antes da estreia da oitava temporada.

Agora, os norte-americanos estão querendo poupar ainda mais o precioso tempo que não tem utilizando um recurso que pode passar um pouco esquecido no Brasil, e que normalmente passaria ainda mais esquecido nos Estados Unidos: o Closed Caption.

O brasileiro não está acostumado a usar o Closed Caption, pois a maioria de nós brasileiros assistimos aos filmes e séries dubladas. Mas com a TV digital, é possível escolher o canal de áudio do programa em exibição, e ativar o Closed Caption para ler as “legendas”.

O Closed Caption é mais utilizado pelos deficientes auditivos, que querem compreender tudo o que é dito nos diálogos de um conteúdo televisivo. Isso quando esse deficiente visual não consegue fazer a leitura labial e, mesmo assim, não é possível fazer a leitura de tudo o que é dito nas cenas (já que alguns personagens podem ficar de costas).

Agora, o Closed Caption ficou popular entre os apressados fãs de séries norte-americanos. Que coisa, não?