laverne_cox_orange_is_the_new_black

A atriz Laverne Cox (Orange is The New Black) recebeu uma indicação na categoria de melhor atriz convidada de comédia, sendo a primeira atriz abertamente transexual a ser reconhecida para uma premiação da Academia de Ciências e Artes Televisivas. Sua indicação é uma das 12 que a dramédia da Netflix recebeu hoje (10).

É um momento histórico para o Emmy Awards. Afinal de contas, o talento venceu esteriótipos, preconceitos e tantas outras barreiras que existem na sociedade, colocando antes de qualquer coisa a capacidade de interpretação de Cox na série. Para o THR, a atriz afirmou que “é um dia maravilhoso para Orange is The New Black é para as mulheres trans negras. (…) Vocês podiam imaginar como é difícil ter uma série sobre um presídio feminino alcançando isso? É inacreditável”.

A indicação foi muito comemorada pelos seus colegas de elenco, com menções nas redes sociais e nos veículos especializados. Laverne, onde foi destacada a bravura de Jenji Kohan (criadora da série) em construir um cenário com várias mulheres de diferentes origens, raças e orientações sexuais diferentes, e da Netflix em ter comprado essa ideia.

Laverne é a primeira transexual a ser indicada ao Emmy Awards, mas não é a primeira personalidade associada à essa orientação a ser reconhecida com uma indicação. Robert Reed recebeu uma indicação na categoria de melhor ator para uma simples aparição em drama ou comédia (hoje seria melhor ator convidado) em 1976 por sua interpretação de um médico transgênero na série Medical Center (CBS).

Em 1986, Vanessa Redgrave foi indicada ao Emmy na categoria de melhor atriz em minissérie ou telefilme por sua interpretação da tenista Renee Richards, em Second Serve (CBS). E P.J. Torokvei, uma transexual, recebeu uma indicação ao Emmy como produtora.

No cinema, personagens transgêneros também foram reconhecidos, mas apenas uma atriz venceu o Oscar pela sua performance: Hilary Swank, por Boy’s Don’t Cry (1999).

Via