Eu estava desconfiando. Eu cheguei a afirmar no review de Leaving Neverland, documentário da HBO que aborda supostos casos de pedofilia envolvendo Michael Jackson, que existiam várias áreas cinzas criadas pelas falas dos envolvidos, e que isso poderia levantar pontos de dúvida sobre o real objetivo desse documentário.

O diretor do documentário Dan Reed foi confrontado no Twitter pelo escritor Mike Smallcombe, que assina a biografia Making Michael. E isso fez com que Dan reconhecesse pela primeira vez que as acusações contra o cantor podem ser falsas.

Smallcombe confrontou as acusações de James Safechuck, lembrando que o quarto da estação de trem onde teriam ocorrido relações sexuais entre Michael e James foi construído dois anos após a data do fim dos supostos abusos.

Dan Reed inicialmente aparentou ironia em relação às informações de Smallcombe, algo que foi entendido como uma tentativa do diretor em alterar a linha de tempo da narrativa para manter a validade do seu documentário.

 

 

A discrepância de informação levantada pelo biógrafo é de três anos, e mostra claramente que Dan Reed no mínimo não pesquisou a fundo as informações que foram levantadas por Safechuck e Wade Robson, os dois protagonistas do documentário da HBO.

A ideia do documentário era (em teoria) dar voz para Robson e Safechuck, que agora estão com 30 anos, ou seja, a mais ou menos a mesma idade que Michael Jackson teria quando os casos aconteceram. É importante lembrar que tanto Robson como Safechuck decidiram mover ações judiciais contra o cantor, e ambas foram rejeitadas por um juiz em Los Angeles em 2017.

De novo: eu insisto que ao terminar de assistir Leaving Neverland, eu não estava convicto que tais acontecimentos ocorreram exatamente da forma como os dois protagonistas do documentário afirmaram. No mínimo fica aqui apresentado de forma clara o típico caso de dúvida razoável.

Mas vamos esperar pelos próximos acontecimentos. A família Jackson já está processando a HBO em US$ 100 milhões. E esse pode ser o primeiro capítulo de uma longa batalha judicial.

 

Via Observatório do Cinema (UOL)