Boneco de Neve

Boneco de Neve (The Snowman) é mais uma grande decepção do cinema norte-americano. A Universal bem que se esforçou, mas as primeiras críticas são muito negativas (34/100 no Metacritic, e 24% de aprovação no Rotten Tomatoes).

Ninguém esperava esse tropeço do diretor Tomas Alfredson. Alias, com Martin Scorsese como produtor, Michael Fassbender como protagonista e a base literária que a história possui… muitos acreditavam que era sucesso na certa.

Normalmente, leva algum tempo para reconhecer a derrota. Mas Alfredson não quis esperar anos. Em recente entrevista, ele decidiu se explicar por que o filme não funcionou.

 

“Nossa fase de filmagens na Noruega foi muito curta. Não conseguimos levar toda a história, e quando começamos a montar o filme descobrimos que muito se perdeu. É como um grande quebra cabeça faltando algumas peças, de modo que não podemos ver toda a obra.”

 

 

Alfredson afirma que a produção foi acelerada e abrupta, logo depois de receberem o financiamento, e não conseguiram rodar tudo o que estava previsto. Em resumo, má organização que não poderia ser corrigida voltando aos sets de filmagem para gravar o que faltava.

Por outro lado, alguns críticos noruegueses assinalaram erros geográficos no filme, como cenas onde o personagem de Fassbender dirige por uma estrada equivocada.

Já Alfredson se defende dizendo que é uma história de ficção, e não um documentário sobre a geografia da Noruega.

Em Boneco de Neve, Michael Fassbender interpreta o detetive Harry Hole, liderando um elenco que conta também com Rebecca Ferguson, J.K. Simmons, Charlotte Gainsbourg e Toby Jones.