É bem clichê escrever um texto a favor ou sobre as mulheres no Dia Internacional da Mulher. Mas… e daí? Elas merecem e precisam de textos assim. Na verdade, não precisam exatamente de apoio. Precisam de compreensão e respeito.

Nos últimos meses, muita coisa foi dita sobre os escândalos de assédio sexual em Hollywood. E muita opinião de bosta também foi dita. Ontem mesmo eu tive uma discussão com uma AMIGA (vejam só, uma mulher), que levantou a questão: “mas… se a mulher se insinua para um homem, ela não tem parte da culpa?”.

Não. Simples assim. E o que acontece em Hollywood nem é esse caso. E, mesmo que o fosse, a resposta continua a ser… NÃO.

Os escândalos de assédio no cinema e na TV dos EUA só estão no começo. Vários outros casos devem ser denunciados nos próximos meses, e discordo quando dizem que as coisas já estão mudando. Errado: só está no começo. Muita água vai rolar por debaixo da ponte da hipocrisia e machismo que inunda nossa sociedade. Muitas carreiras serão justamente destruídas porque alguns homens não souberam respeitar as mulheres.

Nada dá direito de um homem em humilhar, agredir ou obrigar uma mulher a fazer o que ela não quer. Não importa se a mulher está pelada rebolando a bunda na sua cara: só toque nela se ela der a clara permissão de que quer ser tocada por você.

Simples assim.

Hollywood ainda tem muito o que mudar. E nós ainda temos muito o que aprender com as mudanças que precisamos promover como sociedade como um todo. Hollywood é apenas um reflexo de algo que acontece em todas as esferas da sociedade.

E isso acontece em um momento onde, teoricamente, as mulheres contam com grande poder na mídia televisiva e cinematográfica.

Shonda Rhimes é uma das mulheres mais poderosas da televisão, assim como Julia Louis-Dreyfus, Mariska Hargitay e Viola Davis. No cinema, podemos citar várias: Meryl Streep, Greta Gerwig, Patty Jenkins, Jennifer Lawrence, Julia Roberts… a lista é longa.

E isso se estende para outros segmentos artísticos. Ou vai me dizer que Beyoncé e Taylor Swift não são poderosas no mundo da música?

Oferecer a oportunidade para as mulheres assumirem o comando ou o protagonismo da vida não é uma questão de ‘direito ou oportunidade’. É algo natural, para ajudar a tornar o nosso mundo melhor como um todo. O tal ‘empoderamento feminino’ se faz válido quando entendemos que as mulheres tem o mesmo poder de mudança, transformação e evolução que, de forma equivocada, era atribuído exclusivamente aos homens.

Então, no dia de hoje, é clichê parabenizar as mulheres. É redundante. É inútil.

Vamos então tentar fazer com que os cegos abram os olhos, e aqueles que dormem despertem de suas utopias inúteis nos tempos atuais. Mulheres são mulheres. São diferentes. São especiais. São melhores em várias coisas. Mas são seres plenamente capazes de somar, contribuir e melhorar o mundo ao nosso redor.

No lugar de passar a mão na bunda de uma mulher… estenda a mão para construir pontes de progresso e realizações.