Em 2019, The Sopranos completa 20 anos de sua estreia. Não é apenas uma das melhores séries da história, mas também é um divisor de águas. Ajudou a transformar a TV no conceito que conhecemos hoje: uma fonte de talento, de grandes dramas e personagens fascinantes.

Um dos momentos mais memoráveis de The Sopranos é o seu surpreendente final, que na época foi polêmico. A essa altura do campeonato, não é spoiler para mais ninguém, pois esse final virou símbolo de cultura pop: o fim com um corte seco, e nada mais, no meio de uma cena.

A cena é muito tensa, e fica sem solução, deixando tudo em aberto. Tony Soprano (James Gandolfini) espera pelo ataque que ele não sabe de onde vem. E aqui está a grandeza desse final. Não sabemos exatamente o que aconteceu com Tony.

12 anos depois da exibição do seu series fiinale, o criador de The Sopranos, David Chase, decidiu revelar que esta não era a ideia original, e inicialmente a série terminava com a morte de Tony Soprano, sem maiores ambiguidades.

 

 

A cena foi definida três anos antes do fim da série. Tony voltaria de carro para o túnel Lincoln para se encontrar com Phil Leotardo, e é assassinado. A morte não seria exibida, mas todos saberiam que ele estava morto. Quando eles decidiram usar esse final, Chase mudou de ideia, entendendo que o final que foi ao ar era mais interessante.

E David Chase estava coberto de razão. E deixar a série sem uma solução pronta, deixando a margem de interpretação para os fãs foi a melhor decisão possível.

Outros finais para Tony Soprano foram especulados pelo time criativo da série, como a sua prisão ou a morte pelas mãos do inimigo. Porém, deixar o final sem uma resolução, tal e como acontece com a vida de tempos em tempos, é emblemático, pois esta é uma das possibilidades que podem ocorrer com qualquer história.

Vale lembrar que a HBO está trabalhando em um filme prequel de The Sopranos, com o roteiro assinado por David Chase. Ou seja, os fãs da série podem ter mais surpresas e novos elementos a conhecer.

 

 

 

Via Deadline