Bohemian Rhapsody

Bohemian Rhapsody, biopic de Freddie Mercury, retomou a sua produção, após a inesperada ausência do seu diretor, Bryan Singer. Depois disso, e de supostos conflitos dele com dois de seus atores, a Fox decidiu retirá-lo do projeto.

Dexter Fletcher toma o seu lugar, e pela rapidez da substituição, a estreia do filme mantém a data inicialmente prevista (Natal de 2018).

Depois de sua demissão se tornar oficial, Bryan Singer publicou um comunicado, desmentindo os problemas com o elenco (especificamente com o protagonista, Rami Malek), e explica por que não voltou para as filmagens.

Afirmou que queria terminar o projeto, mas precisava priorizar a sua saúde e a dos seus entes queridos como prioridade. Singer pediu para a Fox um pouco de tempo livre para voltar aos Estados Unidos e lidar com assuntos urgentes da saúde de seus pais, faltando três semanas para a conclusão das filmagens. Ele alega que a Fox não aceitou o pedido dele, e encerrou o seu contrato por conta disso.

Singer não negou que teve diferenças criativas com Malek nos sets, mas afirma que os dois deixaram as diferenças para trás, e seguiram trabalhando juntos no filme até o feriado do Dia de Ação de Graças.

 

 

Se tudo isso for verdade (e se Malek confirmar a história), a Fox está em maus lençóis. Por enquanto, ninguém se pronunciou sobre o assunto, e provavelmente não devem se pronunciar, já que tudo está sob a força de um contrato. Vale lembrar que não apenas Singer foi demitido, mas seus escritórios e a sua produtora, Bad Hat Harry, foram fechados no prédio da 20th Century Fox.

Há quem diga que o tema vai além do contrato: Singer pode ser acusado de assédio sexual contra menores (no mínimo), e as negociações da Disney para comprar a divisão de entretenimento da Fox podem ter motivado essa limpeza de casa.

Cedo ou tarde vamos descobrir toda a verdade. É uma questão de tempo.

 

Via THR