No Canadá, a discussão sobre a mudança nas leis dos direitos autorais gera o movimento dos próprios artistas em poder rever os direitos sobre as suas criações em tempo útil.

As leis não protegem diretamente os autores, mas sim as entidades que dominam o setor, e que pagam valores muito baixos pelas obras de compositores e cantores. No Canadá, um autor pode reaver os direitos de suas obras 25 anos depois de sua morte.

Meio ridículo isso, não?

O cantor Bryan Adams propõe uma simples alteração na lei: o direito do artista em reaver os direitos de autor 25 anos depois do lançamento das obras, o que permite que os autores aproveitem em vida do que criaram.

É uma alteração que mostraria um bom senso na legislação, beneficiando diretamente ao autor. Defende o artista, que é a peça mais importante nessa equação.

Lembrando que, no Brasil, os direitos de autor são herdados pelos filhos por até 75 anos após a sua morte. Depois disso, a obra musical entra na regra de domínio público.