Betty Marion White. Como não amar essa mulher?

Lorne Michaels, produtor-executivo do Emmy Awards 2018, tinha o poder nas mãos para fazer o que quiser. Inclusive deixar os dois apresentadores do Weekend Update (segmento do seu programa na NBC, o Saturday Night Live) fazer piadas constrangedoras na abertura da premiação.

Porém, entre erros e acertos, ele marcou um gol de placa, aproveitando muito bem o poder que tinha nas mãos: homenagear Betty White.

Por que?

Primeiro, porque ela existe. Segundo, porque as pessoas merecem ser homenageadas em vida. Terceiro, porque a carreira de Betty White é mais longa do que o próprio Emmy Awards, que alcançou a sua 70a edição em 2018.

Betty White completou 96 anos em 2018, e vai alcançar 80 anos de atividades profissionais. Ela viu a TV nascer nos Estados Unidos, e fez parte dessa história desde o começo, com participação muito ativa ao longo de todos esses anos.

Poucas pessoas no mundo contam com uma carreira tão longa quanto ela. Poucas pessoas ganharam tantos Emmys (8 estatuetas em 24 indicações). Poucas celebridades contam com tanta credibilidade e empatia junto a audiência de diferentes gerações.

Betty White subiu no palco do Emmy Awards 2018 esbanjando toda a sua peculiar simpatia, e demonstrando até surpresa em ser lembrada no evento.

Mais. Agradeceu por ainda lembrarem dela, e em um gesto de extrema humildade, se sentiu feliz porque todos ainda a aguentam.

Como não amar uma mulher dessas?

Seja como Sue Ann Nivens (de The Mary Tyler Moore Show), seja como Rose Nylund (de The Golden Girls), seja como Elka Ostrowsky (de Hot in Cleveland), Betty White soube explorar o melhor da sua capacidade de interpretação, entregando três personalidades completamente diferentes, mas igualmente inesquecíveis.

Uma das boas coisas do Emmy Awards 2018 foi dar uma pausa na entrega dos prêmios para homenagear uma das melhores atrizes da história da TV norte-americana.

Uma mulher fantástica, que se mantém popular aos 96 anos de idade.