Rick Grimes deixou The Walking Dead, e mesmo sem ser uma saída definitiva (quem viu o episódio sabe do que eu estou falando), tal acontecimento foi tratado pelo AMC (e pela Fox no Brasil) como um grande evento. Por isso, é importante entender o impacto que esse incidente teve na audiência norte-americana.

Vale lembrar que, nesse momento, The Walking Dead não é mais o mesmo fenômeno televisivo que era nas primeiras temporadas, onde registrava números melhores que o futebol americano na NBC. Mesmo assim, é uma série que ainda dá uma excelente audiência para um canal de TV paga, e é por isso que veremos a série no ar por mais algum tempo.

Dito isso, a saída de Andrew Lincoln de The Walking Dead resultou em uma audiência total de 5.4 milhões de espectadores, com uma demo 18-49 anos de 2.1. A série ganhou apenas 6% em comparação com os seus números da semana anterior.

O after show da série, Talking Dead, com uma entrevista exclusiva com Lincoln, obteve ganhos mais atraentes. O programa apresentado por Chris Hardwick obteve quase o dobro de demo em relação ao episódio da semana anteriore (1.0, contra 0.6; +66%). Na audiência total, os ganhos foram de 50% (2.7 milhões, contra 1.8 milhão).

Foi em Talking Dead que a audiência soube primeiro que a saída de Lincoln de The Walking Dead conta com um grande asterisco: em 2019, o ator começa a trabalhar no primeiro dos três filmes da franquia centrados em Rick Grimes.

“Não é o começo do fim, é o fim do começo”, disse Andrew para a correspondente do Talking Dead, Yvette Nicole Brown. “Eu gosto da ideia que eles vão contar uma história maior, talvez com uma visão mais ampla da situação. E eu sempre me interessei em saber o que estava acontecendo além daquele cenário, você sabe, um contato com um mundo mais amplo. Eu quero saber. E eu supostamente estou apto a fazer isso em uma história centrada no meu personagem, e esta é uma proposta muito excitante.”