Até que a Gente te Separe é mais um daqueles filmes que você decide assistir na época do carnaval, apenas e tão somente para você fugir dos desfiles, da barulheira lá fora e das pessoas mijando ou fazendo coisas piores na calçada em frente ao seu prédio. Não dá para garantir encontrar um ótimo filme, mas pelo menos você garante distração por pouco mais de 80 minutos.

Isso é, se você resistir a tentação de conferir o WhatsApp durante o filme.

Até que a Gente te Separe conta a história de duas amigas que administram uma agência especializada em términos de relacionamentos. Elas entram em ação quando o cliente não tem a coragem de terminar com a outra parte por conta própria. Vários esquemas e trapaças são elaboradas para convencer, dissuadir ou enganar a pessoa que não quer terminar com o cliente de jeito nenhum.

Acontece que as duas amigas de longa data na verdade estão mais para um casal do que para uma amizade, mas nem elas sabem disso. Sem falar que ambas contam com relacionamentos afetivos desajustados, com históricos de traições, baixa auto estima e sexo sem compromisso. Tal comportamento jamais afetou a amizade das nossas protagonistas, até que uma delas decide se envolver com um dos clientes e a outra insiste em querer fazer um flashback safado com o grande amor da sua vida (aka o cara que chutou ela sem cerimônia no passado).

Agora, as duas vão ter que lidar com os conflitos das consequências geradas pelas suas decisões, além do fato de encontrar um ponto de equilíbrio ético e moral dos seus próprios atos como destruidoras de corações.

 

 

Até que a Gente te Separe não é um filme ruim. Colocando em perspectiva, é melhor do que Megarromântico, estrelado por Rebel Wilson e que também está disponível na Netflix. Mas também não tem nada de especial. Quero dizer, como comédia, eu me diverti mais com esse filme, mas a produção neo-zelandesa não vai além de alguns pontos mais ousados na narrativa, mas sem realmente inovar em sua proposta.

Não espere um plot twist surpreendente, uma cena memorável ou uma piada que faça o filme permanecer em sua mente por muito tempo. Algumas situações mais ousadas e irreverentes são divertidas sim, e o terceiro ato, apesar de previsível, é o ponto onde você pode se divertir mais.

As protagonistas são carismáticas, e contam com personalidades bem definidas, o que ajuda no desenvolvimento do filme. Até mesmo o personagem que é o cliente/pivô do conflito central da trama vai bem, com algumas das melhores situações do longa. Porém, é um filme que não passa da barreira psicológica dos 90 minutos, o que pode indicar para muita gente que ele tem pouco a dizer.

 

 

Até que a Gente te Separe pode ser um bom filme para matar aquele tempo no feriado e fazer você pensar sobre a necessidade de ter uma terceira pessoa para dizer as verdades que você não tem coragem de dizer, ou agir em seu lugar. Pode até incentivar a você terminar um relacionamento atual, mas não é o filme que vai mudar a sua vida.

Se decidir assistir, pode dar uma chance, mas com alguns pés atrás. Ou melhor, assista sem esperar nada, e quem sabe você vai receber alguma coisa.