2018 está prestes a dizer adeus, e isso quer dizer que temos que fazer o balanço dos melhores e piores dos últimos 365 dias. Nesse post, vamos recuperar aquelas que são as séries que valeram a pena dedicar algum tempo para acompanhar ao longo do ano.

Não existe uma ordem específica, e nem por isso consigo chamar essa lista de ‘as melhores séries de 2018’. Prefiro dizer que estas são as séries que você deve acompanhar em 2019, pois se destacaram das demais por vários motivos.

 

 

As séries que valeram a pena em 2018 (e que você deve dar uma chance em 2019)

A Maldição da Residência Hill: Chegou sem fazer muito barulho e sem grandes expectativas, mas a nova adaptação da novela de Shirley Jackson rapidamente se tornou uma das séries mais comentadas do ano. Foi aclamada de forma quase unânime, especialmente no seu sexto episódio.

Killing Eve: A criadora de Fleabeg surpreendeu com uma radical mudança de gênero, que poderia ter dado muito errado. A rivalidade que surge entre uma agente da lei (Sandra Oh) e uma perigosa psicopata (Jodie Comer) é o eixo de um relato de drama criminal que conquistou a praticamente todos que decidiram dar uma chance à serie.

Sharp Objects: A adaptação para a TV da primeira novela de Gillian Flynn parecia estar condenada a ser a série de summer season da HBO com Amy Adams no elenco. Mas foi justamente isso que fez com que mais pessoas prestassem mais atenção na série, que por méritos próprios segurou muitos espectadores até o final.

The Good Place: Surpreendeu com o final de primeira temporada espetacular, e desde então se tornou a comédia favorita de muitos fãs de séries. Parecia ser apenas mais uma comédia simpática, mas se tornou uma grande fonte de reflexão sobre atos e consequências, moralidade e lei de causa e efeito.

BoJack Horseman: A série de animação da Netflix com um cavalo que fala. Muita gente não deu uma chance quando leu isso, e acabou perdendo uma das melhores séries dos últimos anos. Poucas obras audiovisuais demonstraram tanta facilidade para tirar o espetador do riso para a reflexão dolorosa com a depressão como grande fio condutor.

The Good Fight: Fez você esquecer de Alicia Florrick com certa facilidade. Acertou em cheio no elenco e conseguiu definir a si mesma na segunda temporada, deixando para trás quase que completamente a aura de The Good Wife.

Better Call Saul: Reduziu de forma considerável a distância para Breaking Bad em sua excepcional quarta temporada. Apresentou várias virtudes herdadas de sua predecessora, além de ampliar as próprias virtudes que desenvolveu.

The Americans: O ano de despedida de uma série que despertou grandes paixões em uma audiência pequena. Se tornou comum na lista das melhores séries dos últimos anos, e certamente fará falta para os seus fãs. Encerrou no alto, como merecia.

Bodyguard: Minissérie da BBC que apresenta cliffhangers no estilo 24 Horas, com um avançar de trama que deixa o espectador grudado no sofá para saber o que vai acontecer depois. Impossível deixar de dar pelo menos uma olhada na série.

The Marvelous Mrs. Maisel: Uma das grandes revelações de 2017, a comédia da Amazon aos poucos conquistou uma legião de fãs que não duvidaram em indicá-la como a melhor comédia da TV nesse momento. Em 2018, conquistou merecidamente os principais prêmios da temporada. É simplesmente apaixonante.

Maniac: Uma das grandes apostas da Netflix em 2018. Não conseguiu o impacto planejado, levando em conta todos os envolvidos na produção, mas provocou reações de todos os tipos. Tem gente que odiou, tem gente que não entendeu, e tem aqueles que se apaixonaram pela série.

Cobra Kai: A sequência tardia de Karatê Kid não parecia ser a melhor ideia para uma série, mas o foco dado para a produção do YouTube fez com que a conexão com a audiência fosse muito além do valor nostálgico. Uma das séries mais surpreendentes de 2018.

Barry: A comédia da HBO recheada de humor negro (mas entrega bem mais do que isso). Mostra a proposta de humor que o canal sempre mostrou, com a história de um antigo marine que se transforma em assassino (Bill Hader), mas que, na verdade, quer ser um ator.

Atlanta: Donald Glover sabe como nos surpreender. E isso porque nem vamos falar de This is America nesse post. A primeira temporada de Atlanta foi uma das melhores de 2016. Fez a segunda temporada com calma, e essa foi uma decisão mais que acertada, tamanha a qualidade do que foi visto em tela.

The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story: A primeira temporada de American Crime Story soube como mostrar um delicado caso real em uma minissérie viciante, com um elenco incrível. Na segunda temporada, tudo mudou, mas o resultado voltou a agradar a milhões de espectadores. Ryan Murphy tem mesmo a mão para contar tragédias.

Counterpart: Um relato de universos paralelos com J.K. Simmons resultou em uma série de espionagem diferente. Mesmo estreando em 2017, foi nesse ano que ganhou maior notoriedade em todo o mundo.

Comentários

Comentários

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui