Uma série especial de posts dividida em partes, sobre as séries mais importantes dos primeiros 10 anos do novo século. Séries fundamentais e obrigatórias, pois são referência para as séries dos próximos 20 anos (ou mais).

Verdadeiras joias televisivas, onde algumas delas ainda podem ser encontradas em serviços de streaming populares. Já outras você terá que garimpar em e-commerces ou nos caminhos alternativos da internet.

De qualquer forma, são séries obrigatórias. Confira!

 

 

The IT Crowd

 

 

Uma das melhores comédias geek de todos os tempos, com personagens e situações simplesmente rocambolescas. Tem apenas quatro temporadas com poucos capítulos, mas com muita genialidade no humor. Dois funcionários no suporte técnico que recebem uma chefe que jamais tocou em um computador na sua vida. As situações são as mais absurdas possíveis, em uma série que surpreende no surrealismo. Humor britânico desencadeado.

 

 

Doctor Who

 

 

Mesmo nascendo em 1963, foi em 2005 que a série recebeu uma cara nova, se adaptando aos tempos atuais e revitalizando sua mitologia. Com um respeito reverencial ao passado da série, mas conquistando novos fãs, seu legado se prolongou até os dias de hoje, com novos desafios, como a primeira mulher como Doctor. A série permite que o protagonista – um alienígena que viaja no tempo e espaço com acompanhantes humanos – reencarne em novos corpos.

 

 

Chuck

 

 

Uma das séries mais queridas pelos nerds. Chuck Bartowski é um personagem muito carismático, por ser o típico freak por tecnologia, que da noite para o dia sai de ser um zé ninguém para se transformar em um agente da CIA, graças ao Intersect que acaba dentro do seu cérebro. Ele é como Neo em Matrix, mas com pitadas de humor. Todas as suas tramas, cheias de plot twists combinados com muita ação. E, mesmo assim: Chuck não é Jack Bauer.

 

 

Battlestar Galactica

 

 

Sem grande orçamento e com efeitos especiais abaixo da média, a trama, os personagens e como a ação se desenvolve tornou a série querida por muita gente. Um remake poderia ser genial, especialmente com o nível de produção que temos hoje. Por outro lado, a série como ela é já é genial. Mais que recomendada para os amantes da ficção científica.

 

 

House

 

 

A série protagonizada por Hugh Laurie é viciante pela originalidade da sua proposta. Por oito temporadas, os roteiristas conseguiram intrigar os fãs com dezenas de casos médicos muito diferentes entre si, mas com vários fundamentos científicos e bases reais. Ah, é importante não ser hipocondríaco para aproveitar a série. Caso contrário, a série pode se transformar em um autêntico suplício.