Uma série especial de posts dividida em partes, sobre as séries mais importantes dos primeiros 10 anos do novo século. Séries fundamentais e obrigatórias, pois são referência para as séries dos próximos 20 anos (ou mais).

Verdadeiras joias televisivas, onde algumas delas ainda podem ser encontradas em serviços de streaming populares. Já outras você terá que garimpar em e-commerces ou nos caminhos alternativos da internet.

De qualquer forma, são séries obrigatórias. Confira!

 

Flight of the Conchords

 

 

Uma série em que o humor é tão importante como a música, onde os dois elementos estão completamente entrelaçados. O pior manager do planeta e apenas um fã, mas com músicas que colam como chiclete. Uma das séries mais frescas e divertidas da década.

 

 

Fringe

 

 

Para quem cresceu com Arquivo X, Fringe foi uma volta à adolescência. Com episódios auto-conclusivos mas com uma longa e entrelaçada trama, os fantásticos personagens da série entregavam toda semana monstros, viagens no tempo e universos alternativos. Arrastou uma comunidade de seguidores, que analisavam nos mínimos detalhes o que estava por vir.

 

Futurama

 

 

Centenas de referências científicas, piadas e material para geeks. Esta foi a primeira série mainstream que falava de temas até então inéditos na TV, com uma linguagem que conectava os temas de cultura nerd  com a linguagem de cultura pop. Uma das animações mais queridas de todos os tempos.

 

Curb Your Enthusiasm

 

 

Depois de co-criar, produzir e roteirizar Seinfeld, Larry David foi aproveitar a vida, mas seguiu criando situações incômodas ao seu redor: má escolha das palavras, pequenas manias e mal-entendidos que degeneram em situações absurdas. Uma ode aos problemas do primeiro mundo, narrados em um formato de falso documentário, onde Larry raramente se dá bem, em sua versão caricaturada dele mesmo, entregando um personagem tão pitoresco como humano. Porque vencer na vida e a má sorte te perseguindo não é algo compatível.

 

 

Lost

 

 

Um fenômeno televisivo. Não é apenas o argumento da série (cheia de narrativas não lineares, mistérios, pistas, flashbacks, flash forwards, linhas de tempo alternativas, monstros de fumaça, a ilha é uma rolha, etc), mas com vários outros fatores que Damon Lindelof e J.J. Abrams conseguiram endossar em uma única produção. Uma das poucas séries que apresenta um monte de personagens, suas histórias, decisões e motivações, e sem sacrificar a complexidade da trama, entregando um equilíbrio entre todos esses aspectos. Uma série perfeita para maratona, mas que precisa de pausas para descanso da mente e desenvolvimento de teorias, procura de pistas e entender as tramas desenvolvidas ao longo dos episódios.

 

CONTINUA!