Green Book é um dos grandes candidatos ao Oscar 2019 de melhor filme. Venceu o Festival de Toronto, o que é uma garantia de indicação, e recentemente levou para casa o Globo de Ouro 2019 de melhor filme (comédia ou musical). Em condições normais, é o principal adversário de Roma. Porém, o filme dirigido por Peter Farrelly está enfrentando diversas polêmicas que podem prejudicar a sua imagem.

 

 

As primeiras polêmicas

 

 

Em novembro de 2018, um incidente circunstancial envolveu Viggo Mortensen, que comentou depois de uma projeção do filme que “ninguém disse a palavra N” durante uma coletiva. Ele disse dentro de um contexto, e sem qualquer interesse no uso ofensivo do termo. Mas bastou a menção da palavra que as críticas choveram. Viggo nem pensou duas vezes em pedir desculpas.

A crise foi controlada, mas apenas um mês depois veio outra, com as reclamações da família Shirley, ao qual pertencia Don (Mahershala Ali).

Maurice Shirley, irmão de Don, chegou a qualificar Green Book como ‘uma sinfonia de mentiras’, destacando aspectos como jamais o pianista ter considerado Tony Lip (Viggo Mortensen) um amigo próximo, que jamais ele teria se envergonhado por ser negro ou distante das pessoas de sua raça, incluindo a sua família, como sugere o filme. Inclusive que o próprio Don Shirley, falecido em 2013, teria se oposto a ideia de levar aos cinemas a sua amizade com Lip.

Mahershala Ali optou por entrar em contato diretamente com a família de Shirley por telefone para pedir desculpas se Green Book ofendeu a eles de alguma forma. Edwin Shirley III, sobrinho do pianista, destacou a declaração do ator, que afirmou que fez o melhor que podia com o material que tinha nas mãos, e que não era consciente que poderia consultar familiares próximos para receber mais informações sobre o seu personagem.

 

 

Dois pelo preço de um

 

 

Não custava nada a produção do filme ter consultado a família do protagonista, mas… tudo voltou ao normal. Até que Green Book venceu vários prêmios no Globo de Ouro 2019, incluindo o de melhor filme, que foi dividido entre Peter Farrelly, Brian Hayes Currie e Nick Vallelonga. E dois dos três citados protagonizaram as últimas polêmicas do filme, por causa de antigas declarações.

Farrelly deu uma entrevista para a Newsweek em 1998 durante a campanha promocional de Quem Vai Ficar com Mary?, filme que ele dirigiu com o seu irmão Bobby. Ele afirmou que, durante um período das gravações, ele exibia o seu pênis em forma de brincadeira para os demais presentes no estúdio, chegando a fazer isso com Cameron Diaz na primeira vez que eles se encontraram para trabalhar.

Hoje, esse comportamento é simplesmente inaceitável, mas naquela época não aconteceu nenhum debate ou ruído. Inclusive ele revelou que chegou a fazer isso em aproximadamente 500 oportunidades.

Farrelly demorou bem pouco para pedir desculpas quando o resgate dessa entrevista explodiu, afirmando que “foi um idiota” e que acreditava que estava sendo engraçado na época, mas que hoje se sentia envergonhado por aquilo, lamentando profundamente.

Quase sem tempo para digerir essa pedrada, um antigo tweet por Vallelonga veio a tona.

Leia a mensagem abaixo.

 

 

Vallelonga apagou a conta do Twitter logo depois do escândalo emergir, e pediu desculpas por suas declarações polêmicas, especialmente com Ali, que é muçulmano.

Vale lembrar que Vallelonga é filho de Tony Lip, e por isso as mensagens racistas foram muito mal recebidas, a ponto da Participant Media, produtora de Green Book, emitir um comunicado condenando tais declarações.

 

 

Má sorte? Ou campanha contra o filme?

As duas últimas polêmicas ligaram um sinal amarelo sobre uma possível campanha tentando desprestigiar o filme para um bom desempenho no Oscar 2019. É algo que já aconteceu em outras oportunidades, já que prejudicando a imagem da concorrência aumentam as chances de suas propostas preferidas.

Tudo isso sempre é feito de forma anônima, para que não possa se detectar o interesse por trás disso. Mas só resta para nós fazer conjecturas sobre o tema, e esperar uma possível quinta polêmica nas próximas semanas.