séries

Outra missão complicada mas… vamos lá.

2017 está nos dizendo adeus, e chegou aquele momento de fazer o balanço dos últimos 12 meses. Aqui, temos a lista de algumas das melhores séries do ano. Uma escolha difícil, já que são tantas séries e tão pouco tempo para ver tudo.

Lista a seguir.

Mindhunter

A volta de David Fincher para a TV (depois de dirigir os dois primeiros episódios de House of Cards em 2013). Aborda a figura do psicopata (de novo), mas explorando múltiplos assassinos reais. Uma das grandes sensações da temporada.

The Leftovers

Adorada pela crítica e pelos seus poucos fãs, The Leftovers foi uma das grandes ignoradas na temporada de premiações. Chegou ao fim na terceira temporada, e entregou uma jornada especial ao mostrar como esses personagens tiveram que lidar com o repentino desaparecimento de 2% da humanidade.

The Handmaid’s Tale

A adaptação da novela homônima de Margaret Atwood foi uma das estreias mais comentadas de 2017. Venceu vários Emmys e é indicada a vários Globos de Ouro. Uma série corajosa na sua proposta e temática. Simplesmente imperdível para a maioria dos fãs de séries.

BoJack Horseman

É a série favorita de Reed Hastings, CEO da Netflix. A animação não demonstra sintomas de cansaço em sua quarta temporada, sendo excepcional nas partes técnicas e narrativas, utilizando diferentes recursos de animação como formas de explorar o psicológico dos personagens e seus conflitos emocionais.

Twin Peaks

A volta da série criada por David Lynch e Mark Frost tinha uma expectativa que rivalizava com o medo de que essa terceira temporada não estivesse a altura da primeira (esqueça a segunda). Porém, a série acertou ao evitar o nostálgico, apostando no experimental o tempo todo. Quase que se Lynch e Frost tivessem usado drogas pesadas para esquecerem tudo o que já fizeram, em um surrealismo visual sem igual.

Game of Thrones

A série épica da HBO é menos popular que The Big Bang Theory e The Walking Dead, mas faz muito mais barulho. Só tem mais uma temporada, que promete ser titânica. E o resultado muito satisfatório da sétima temporada coloca a série na lista de um dos eventos mais importantes que a televisão verá em sua história quando a temporada final for exibida.

The Good Fight

Foi a primeira série exclusiva do serviço de streaming CBS All Access (Star Trek: Discovery foi anunciada antes, mas chegou meses depois), e tinha uma pressão enorme de cumprir as expectativas da plataforma e dos fãs de The Good Wife. Foi além dessas expectativas, mostrando que havia vida além de Alicia Florrick: com a estupenda Diane Lockhart.

Glow

A luta livre sempre foi vista como algo fake, e nunca entendemos exatamente por que ela conquistou tanta audiência consciência das limitações da modalidade como “esporte”. Porém, a série da Netflix mostrou mais sofisticação do que aparentou em seus vídeos promocionais, oferecendo uma fonte inesgotável da nostalgia dos anos 80, mostrando um leque de adoráveis mulheres perdedoras e lutadoras, introduzindo humor e reflexão para o nosso tempo.

Rick and Morty

A série de animação mais impactante desde South Park. 2017 marcou a chegada da esperada terceira temporada, mostrando o melhor da ficção científica com todas as paixões, defeitos, tendências e modos de vida do ser humano atual. Tudo isso, disfarçado em um humor sem limites.

Big Little Lies

Uma minissérie que deixou um sabor tão bom na boca, que a HBO decidiu aprovar uma segunda temporada, por mais que a primeira tivesse um arco fechado e definido, baseada em um livro que não tem continuação. Resta esperar se a nova temporada será a altura da primeira, que tem uma qualidade simplesmente indiscutível.

Better Things

No meio de tantas comédias novas, Better Things é uma das que conseguiram o prestígio da crítica e do público. A série de Pamela Adlon se destaca pela intimidade, ousadia e carência total de medo em homenagear a mulher moderna e contemporânea (profissional, mãe, amiga e amante), com luzes e sombras, mas que acredita no amor.

Halt and Catch Fire

Também ignorada nas premiações, mas aclamada pela crítica e seu muito reduzido grupo de fiéis seguidores. Em outros canais, seria cancelada bem antes. Mas o AMC sabia o que tinha nas mãos, concedendo para a série quatro temporadas, com a última exibida em 2017.

The Good Place

O final da primeira temporada dessa ótima comédia mostrou o quanto ela mesma ainda poderia nos oferecer. Não só convida o espectador a fazer um divertido questionamento sobre nossos conceitos sobre o bem e o mal, mas nos leva à subversão de nós mesmos a partir de um ponto de vista metafísico, sem as linhas éticas do século XXI, em um humor absurdamente inteligente.

 

Legion

A Fox demonstrou um grande interesse em explorar a fundo o universo dos X-Men antes da Disney comprar o seu segmento de entretenimento por um valor simplesmente obsceno. Veremos se tal interesse continua. Fato é que: a série de Noah Hawley mostra que o milagre alcançado com Fargo não foi uma mera casualidade. Legion é uma viagem de ácido ao universo de X-Men, sendo original, ágil e envolvente.

Master of None

A primeira temporada dessa série foi surpreendente para quem só conhecia Aziz Ansari de Parks and Recreation. A segunda temporada confirmou o seu talento, assim como entregou uma das séries mais estimulantes da atualidade. É uma obra prima da comedia de observação, com o romantismo e mordacidade na medida certa.