Capitã Marvel estreou ao redor do mundo no Dia Internacional da Mulher, e essa é a oportunidade perfeita para falar dos filmes protagonizados por mulheres com poderes. Inclusive nos casos onde elas se destacam mais do que os protagonistas homens, como nos casos de Kick-Ass ou Batman Returns, com uma carisma peculiar.

Temos então uma lista de super-heroínas que protagonizaram suas histórias, sem muita ajuda e com coragem para fazer o necessário para salvar vidas. Nos centramos em mulheres com poderes ou muito boas em aventuras disfarçadas e nomes de impacto, o que deixa de fora mulheres com armas, como Tank Girl ou Barb Wire.

 

 

Supergirl (1984)

Direção: Jeannot Szwarc

Elenco: Helen Slater, Faye Dunaway, Peter O’Toole, Mia Farrow, Simon Ward, Hart Bochner, Peter Cook, Brenda Vaccaro.

Uma tentativa de aproveitar o sucesso de Superman na década de 80, que chegou tarde, pois a franquia principal já estava em decadência. O resultado do filme é tão ruim e anedótico, que só serve para agradar os fãs mais incondicionais da DC. Mas o seu caráter funcional e inaugural, entregando a primeira mulher protagonista de um filme de herói, é inquestionável.

 

 

Batman Returns (1992)

Direção: Tim Burton

Elenco: Michael Keaton, Danny DeVito, Michelle Pfeiffer, Christopher Walken, Michael Gough, Michael Murphy.

A melhor versão da Mulher Gato nos cinemas até agora (é melhor esquecer que o filme da Halle Berry existiu). É a versão mais sugestiva da personagem, sem apelar para o erotismo explícito e mostrando um lado mais obscuro. Se aproveitou de um filme focado nos vilões e roubou a cena do Pinguim várias vezes. E o traje sadomasoquista somado com o talento de Michelle Pfeiffer entregou uma anti-heroína que conseguiu tirar o herói do seu eixo emocional. Foi revolucionária.

 

 

Elektra (2005)

Direção: Rob Bowman

Elenco: Jennifer Garner, Goran Visnjic, Kirsten Prout, Will Yun Lee, Cary-Hiroyuki Tagawa, Terence Stamp.

O filme não é bom, e desperdiça uma das personagens mais queridas da mitologia de Daredevil. Mesmo assim, apesar do seu roteiro lento, cenas de ação muito deficientes e uma Jennifer Garner inadequada para o papel, o personagem brilhou de forma mais decente do que o próprio Daredevil em seu filme. No final das contas, essa Elektra foi mais vítima do que qualquer outra coisa.

 

 

As Meninas Super-Poderosas: O Filme (2002)

Direção: Craig McCracken

O único filme protagonizado por um grupo de super-heroínas integralmente feminino até hoje. E duas décadas depois de triunfarem no mainstream, ainda é um filme muito atual e fiel ao icônico desenho animado, entregando um humor para todos os públicos, algo que tanto marcou o Cartoon Network naquela época. O filme nada mais é um episódio gigante, mas o seu significado e valor histórico é indiscutível.

 

 

Minha Super Ex-Namorada (2006)

Direção: Ivan Reitman

Elenco: Uma Thurman, Luke Wilson, Anna Faris, Stephen Graham, Wanda Sykes, Rainn Wilson.

O elenco excelente para um filme que satiriza o então emergente mundo dos super-heróis, que começou com X-Men e Spider-Man alguns anos antes. É bem pouco original no seu roteiro de comédia romântica, e possui alguns momentos escandalosamente misóginos. De um modo geral, fica muito abaixo de suas possibilidades, mas tem a sua importância histórica.

 

 

Super (2010)

Direção: James Gunn

Elenco: Rainn Wilson, Ellen Page, Liv Tyler, Kevin Bacon, Gregg Henry, Michael Rooker, Andre Royo, Nathan Fillion.

Mesmo que o protagonista seja um herói masculino, Super entra na lista pela perversa sensibilidade com a deliciosa personagem de Libby (Ellen Page), sidekick do herói escrito por Gunn. As dinâmicas estabelecidas entre eles resulta em situações patéticas, reforçadas pelo fato de ninguém contar com poderes reais, mas com a poderosa humanidade que descreve a relação entre os dois protagonistas.

 

 

Kick-Ass – Quebrando Tudo (2010)

Direção: Matthew Vaughn

Elenco: Aaron Taylor-Johnson, Chloë Grace Moretz, Christopher Mintz-Plasse, Nicolas Cage, Mark Strong, Lyndsy Fonseca.

Parecido com Super, Kick-Ass tem a sua incomparável Hit-Girl, interpretada de forma espetacular por Chloë Grace Moretz nos dois filmes inspirados nos comics de Mark Millar. Sua observação da natureza dos sidekicks é maliciosa, mas sem chegar aos extremos do comic orignal, sendo uma garota absolutamente normal, salvo pelo fato que o seu pai, um vigilante mascarado (Nicholas Cage), ter treinado ela para ser uma arma letal em miniatura.

 

 

Mulher-Maravilha (2017)

Direção: Patty Jenkins

Elenco: Gal Gadot, Chris Pine, David Thewlis, Danny Huston, Elena Anaya, Ewen Bremner, Saïd Taghmaoui, Eugene Brave Rock.

Um dos melhores filmes do Universo DC até agora, e parte de uma recuperação da imagem da personagem por parte da editora. O filme ganha um posto histórico no gênero, entregando um ar de levez ao escuro universo apresentado por Superman e Batman nos filmes anteriores e, de certa forma, inspirado no sucesso de Supergirl na CW. Não é um filme perfeito, já que a falta de concisão narrativa, um vilão em CGI horroroso e um final de filme péssimo aranham um pouco a imagem do longa. Mesmo assim, o saldo é muito positivo, e com certeza vai render frutos no futuro.

 

 

Capitã Marvel (2019)

Direção: Anna Boden, Ryan Fleck

Elenco: Brie Larson, Jude Law, Samuel L. Jackson, Ben Mendelsohn, Gemma Chan, Lee Pace, Mckenna Grace, Clark Gregg.

É o primeiro filme da Marvel com uma super-heroína como protagonista. Sua estética atrapalha a narrativa, com naves aleatórias, uma fotografia escura e cenas de luta confusas e pouco originais. Mesmo assim, como filme sobre uma super-heroína, funciona muito bem, deixando um recado claro de empoderamento feminino perfeitamente integrado na trama. E Brie Larson conseguiu transmitir um humor sutil e muito bem vindo, ao mesmo tempo em que entregou a seriedade de sua natureza Kree e, o mais importante, se distanciou do estereótipo de super-heroína sexy.

 

É claro que é justo citar a Vespa (Evangeline Lilly), co-protagonista de Homem-Formiga e a Vespa, a primeira comédia romântica da Marvel. É um filme divertido e funcional, em uma aventura com momentos que funcionam como produto de entretenimento.

E temos que lembrar que essa nova fase vai resultar em vários conteúdos protagonizados por mulheres dentro da Marvel, como o filme solo da Viúva Negra e a série do Disney+ co-protagonizada pela Feiticeira Escarlate. E não podemos jamais nos esquecer de todas as personagens femininas do universo X-Men, onde Jean Grey vai receber o filme onde os eventos giram em torno dela, com X-Men: Fênix Negra.