halt and catch fire

Halt and Catch Fire (AMC) decidiu reinventar a história da informática, mostrando os feitos de um pequeno grupo de visionários que deram vida ao computador pessoal e computadores portáteis.

O olhar para o entretenimento eletrônico, a internet, as comunicações, chats, a banda larga, os antivírus, o comércio eletrônico, a www… tudo isso só aconteceu por causa dos pioneiros da tecnologia.

A quarta temporada de Halt and Catch Fire é centrada na criação dos buscadores e seus algoritmos para indexar sites e suas ferramentas, além de conteúdos adicionais. As transições de passar de tempo com planos sequência são maravilhosas, e a série manteve a tendência de mostrar os processos criativos e a inovação técnica da feroz competição empresarial.

A série conseguiu agradar tanto os geeks que entendiam do assunto como os leigos na história da informática e da tecnologia, mas que só gostariam de ver dramas críveis com personagens complexos.

 

 

Contando com Juan José Campanella na direção dos dois primeiros episódios da temporada final, a série conseguiu mostrar uma trama intensa, com paralelos muito interessantes, como acontece entre as indócil, perdida e talentosa Cameon Howe (Mackenzie Davis) e a implacável e desinibida Donna Emerson (Kerry Bishé).

A emoção pelas inovações tecnológicas, suas dificuldades e desafios para concretizar tudo isso estão presentes, mas a série manteve os seus mesmos ingredientes tradicionais, apesar de menos conflitiva e mais iluminada.

Joe MacMillan (Lee Pace) parece ter renunciado aos seus impulsos egoístas, manipuladores e caprichosos, o que pode ser um simples reflexo de sua maturidade.

A mudança de chave da temporada final lembra os plot twists de séries como Six Feet Under, mas sem perder a coerência com a proposta narrativa de Halt and Catch Fire ou com o desenvolvimento emocional visto na temporada final. E tudo isso foi feito sem dispersar o interesse dos geeks na trama.

 

 

Seu episódio final é uma despedida em via de regra. A série em quatro temporadas respeitou seus fãs, que sentiam na carne cada golpe que a vida pregava em seus personagens. Testemunhou seus dramas íntimos, aplaudiu de pé o discurso feminista de Donna, e abraçou a indiscutível inovação perpétua que estimula os seres humanos a irem mais alto do que podem acreditar.

Na nostalgia sem posturas, no lúcido conservadorismo, nos dolorosos desafios e na irresistível verdade emocional, foi uma tristeza ver Halt and Catch Fire chegando ao fim, mas uma alegria imensa em testemunhar quatro ótimas temporadas.