A sétima temporada de American Horror Story (Cult), iniciada em setembro, está impregnada de política. A temporada começou com a noite das eleições presidenciais, quando Donald Trump foi eleito o quadragésimo quinto presidente dos Estados Unidos.

A essa altura do campeonato, os fãs já não estranham tantas esquisitices e perturbações na série. Porém, a atual temporada é muito conectada com fatos reais. E no sexto episódio (Mid-Western Assassin), uma cena foi retirada em respeito às vítimas dos eventos em Las Vegas, que resultou em dezenas de mortos e centenas de feridos.

 

 

ATENÇÃO: a partir de agora, temos spoilers sobre a sétima temporada de American Horror Story (Cult). Continue a ler por sua conta e risco.

 

A decisão tomada por Ryan Murphy foi qualificada por várias frentes, mas o que não podemos esquecer é que AHS é apenas uma série de TV, mas que tem atenção suficiente da mídia e do público para estender uma discussão sobre o tema do porte de armas nos EUA.

Dito isso, uma cena de tiroteio em massa inicia o episódio, com uma imagem da bandeira dos EUA e um tiroteio em massa, alertando para o evidente problema das armas que vive a sociedade norte-americana.

No serviço de streaming do FX, o episódio pode ser visto sem a censura. No final do post, temos um vídeo comparativo com as duas cenas, onde a versão nova deixa de lado os mortos e foca mais no personagem de Ivy. As cenas eliminadas somam pouco segundos, mas são cenas significativas.

Alguns dos críticos alertaram para a publicidade feita em cima da edição do episódio, algo normal para alguém com tantos projetos como Ryan Murphy. Mas a edição original do episódio levanta o discurso anti-armas claramente.

Já a cena editada e exibida nos EUA alcança os seus objetivos dentro da história. Os fãs da série sabem que Kai Anderson (Evan Peters) cumpriu seu objetivo de realizar o massacre.