Velozes e Furiosos 8

 

Vin Diesel, seu lindo!

Eu confesso que fazia muito tempo que eu não assistia um filme da franquia Velozes e Furiosos. Eu desisti dessa série de filmes quando eles resolveram fazer drift dentro de estacionamentos de shoppings em Tóquio. Nem mesmo o filme final de Paul Walker eu assisti. Mas de qualquer forma, eu já sabia o que esperar de Velozes e Furiosos 8. Já imaginava o que estava por vir.

Na verdade, eu não sabia. Jamais poderia supor que seria melhor do que eu esperava. De verdade. Sem zoeira.

 

Eu acho estranho as pessoas ficarem se preocupando com roteiros em filmes como Velozes e Furiosos 8. Gente… pra quê roteiro em um filme que entrega absolutamente tudo o que os fãs da franquia esperam? Agora consigo entender perfeitamente por que essa é uma das franquias mais lucrativas da história do cinema. E por que Vin Diesel está literalmente enchendo o rabo de dinheiro, e vai continuar a fazer isso pelos próximos 20 anos, pelo menos.

Porque ele entrega aquilo que as pessoas gostam. Porque ele entrega aquilo que as pessoas querem.

E ainda consegue oferecer uma moral da história no final!

Vin Diesel… você é gênio!

 

 

Velozes e Furiosos 8 é uma comédia de ação que fala sobre… carros? Também. Mas fala sobre família, e a importância da família na nossa vida. Daquela família que formamos ao longo da vida. Da família que Dominic Toretto (Vin Diesel) formou ao longo de oito filmes. A dele, e a família de outros caras também.

Até porque esse é o grande legado que ficou depois da aposentadoria de Brian O’Connor (Paul Walker).

É claro que, em linhas tortas, ele fala sobre redenção. De reconciliação. De resoluções de conflitos que começaram três filmes antes, pelo menos. São temas muito sutis, que passam quase desapercebido quando o foco do filme é tiro, porrada, bomba, carros muito caros sendo destruídos e até um submarino.

A trama dá uma atualizada sobre as técnicas criminosas que podem ser aplicadas contra grandes organizações, mas sem apresentar alguns absurdos enormes e escorregadas em um roteiro raso e inconsistente. Mas… quem realmente se importa com isso?

Eu realmente não quero saber de roteiro em um filme que me convence desde a primeira cena. Mesmo quando essa cena nos mostra algo que, no mundo real, jamais aconteceria. Mas… que se dane o mundo real em um filme como esse!

Caraca, tem carros em alta velocidade, carros pegando fogo, carros explodindo, carros sendo destruídos, mulheres em roupas minúsculas, mulheres fortes que dão porrada em bandido, brigas fodásticas, bandidões com cara de mau, um hacker japonês com piercing no nariz e brinco na orelha, e uma hacker fodona que deixa a brecha para o próximo filme, que estreia em 2019.

 

 

No meio de tanta coisa que Velozes e Furiosos 8 apresenta, entendemos claramente como a franquia se mantém. E, de tudo isso, algumas coisas bem interessantes e positivas podemos extrair desse filme.

Para começar, ele tem um apelo sexual bem menor do que eu esperava. Eu ainda estava com a imagem deixada por xXx: Reativado, onde vemos um Vin Diesel que realmente beira ao repugnante, em um papel completamente vazio (tá bom, erro meu aqui em esperar alguma coisa de um filme como esse). No caso do filme que estreou nesse final de semana no Brasil, apenas na primeira cena essa apelada em mostrar mulheres com roupas mínimas acontece. Ao longo do filme, mais  vemos os marombados brigando do que qualquer outra coisa.

Outro ponto positivo da trama é não ficar batendo na tecla da aposentadoria de Brian e Mia. A vida segue em frente, eles estão fora do jogo e o show tem que continuar.

E que show, meus amigos!

 

 

Velozes e Furiosos 8 é um filme de roteiro raso e previsível. Você sabe o que vai acontecer na cena seguinte, e os plot twists apresentados não enganam a ninguém. Algumas dessas viradas de argumento são explicadas da forma mais sem noção possível, sem falar naquelas que nem explicação tem. Alguns personagens voltam ao mundo dos vivos do nada, e o filme acaba, e esses personagens simplesmente desaparecem de novo. É como se fosse uma carta roubada de um jogo do Super Trunfo, que só aparece quando realmente precisamos.

Mas… eu insisto: pra quê se preocupar com roteiros em um filme como esse? Aliás, pra quê se preocupar com roteiro quando Vin Diesel conseguiu fazer com que Helen Mirren participasse desse filme?

O texto tem vários alívios cômicos bem sacados e simpáticos, o que torna o filme acessível para diferentes públicos. Algo até surpreendente, pelo lado positivo. Tinha muitas mulheres assistindo o filme na mesma sessão que eu, acompanhando seus maridos ou namorados, mas se divertindo com o filme e com as piadas apresentadas. Mesmo porque o filme tem o seu apelo para as mulheres fortes, na personagem de Michelle Rodriguez.

Sem falar que Charlize Theron é a melhor vilã da franquia, de longe! Ela está excelente no filme, sendo absurdamente sinistrona, se alinhando muito bem ao ritmo da trama. Deve estar nos próximos dois filmes da franquia.

Estamos diante de um filme caro… bem caro. As cenas externas acontecem em locações grandiosas, são complexas e que resultam em regra na destruição de carros caríssimos. É um valor incalculável apenas nos custos dos veículos destruídos ao longo do filme. Porém, esse é um dos fatores que fazem com que essa franquia se pague sempre.

Há também vários recursos de computação gráfica que encarecem ainda mais o orçamento do filme, mas que são necessários para a proposta geral apresentada. E, sim… várias cenas absurdas para o deleite dos fãs. Do começo ao fim. Podem ficar tranquilos, que vocês vão sair do cinema com várias histórias para contar para os amigos sobre situações que, em um mundo real, jamais poderiam acontecer.

Mas ninguém precisa do mundo real quando vemos essa bela história de fantasia envolvendo, ciberterrorismo, família, vingança, redenção… e carros!

 

É o melhor Velozes e Furiosos que você já viu? Não sei dizer. Mas é um filme que é diversão garantida. Ele entrega o que promete, e isso basta. Quer procurar roteiro bem estruturado? Vai ver outra coisa. Esse filme serve apenas para você se divertir e nada mais.

Tem tudo para ser uma das maiores bilheterias de 2017, e faz jus à uma bem sucedida franquia que começou em 2001, arrecadando mais de US$ 4 bilhões.

É um pequeno império que torna Vin Diesel um dos homens mais poderosos de Hollywood.

Quem diria…