Da Vinci's Demons 2013

É a Netflix fazendo escola, e o formato tradicional de televisão tentando se adaptar aos novos tempos. O canal Starz é mais um que adota a iniciativa de liberar todos os episódios de uma de suas séries na internet, para que a audiência tenha a liberdade de escolher quando quer assistir, na hora que quer, e na ordem que quiser.

A série em questão é a já cancelada Da Vinci’s Demons, que por sinal eu desconfio que eles se esqueceram que ela existe, já que a terceira e última temporada vai estrear 18 meses depois do término do segundo ciclo. Tá, você pode até falar ‘também, pudera: eles nem ligam mais para a série, e querem que acabe logo’. Ok, eu concordo. Mesmo assim, reforça o movimento de mudança da TV tradicional, no que se refere à oferta de episódios para a audiência.

Não precisava lembrar isso, mas recentemente a NBC fez o mesmo movimento: liberou todos os episódios da primeira temporada (sim, acreditem… essa ‘maravilha’ foi renovada) de Aquarius logo depois do primeiro episódio ser exibido na TV. De novo, jamais teremos 100% de certeza se o canal do pavão estava ou não apostando no sucesso da série. Fato é que o movimento foi feito e, pelo visto (e de alguma forma que não conseguimos compreender), deu certo.

Os dois casos podem ser considerados pontuais, ou de séries que nem são tão badaladas assim. Mesmo assim, insisto que mostra a mudança de filosofia dos canais tradicionais diante dos novos tempos da TV. Apostar em flexibilizar a forma de distribuição dos episódios, buscando atender ao novo público que tão bem assimilou a proposta de oferta de conteúdo da Netflix, é uma prova que os canais buscam a sobrevivência na visibilidade junto ao telespectador, independente da plataforma que ele vai utilizar para ver esse conteúdo.

Eu me lembro bem do que aconteceu quando o TiVO apareceu, lá no começo dos anos 2000. O TiVO é o ‘avô’ dos DVRs atuais, já que era uma caixa maravilhosa que gravava os conteúdos da grade de programação dos canais, e permitindo que o telespectador pulasse os comerciais e outros trechos do programa, se assim desejasse.

Na época, fez um barulho tremendo. Muitos canais protestaram, já que os anunciantes poderiam simplesmente desistir de investir dinheiro na compra do espaço comercial dos seus programas. Afinal de contas, ninguém ia ver o que eles estavam anunciando.

Quase 15 depois da chegada do TiVO, os DVRs são mais do que populares. As principais operadoras de TV por assinatura do planeta oferecem receptores com a opção de gravação de programação, e a TV tradicional teve que se adaptar aos novos tempos.

O mesmo acontece hoje com a proposta de oferta de episódios. Foi-se o tempo que o fã de séries ficava em frente do sofá esperando aquela série que ele tanto gosta começar (salvo em raríssimas exceções). Hoje, a competição na grade de programação é enorme, sem falar que existe um mundo lá fora e a internet. E isso porque não menciono o desrespeito de alguns canais, que anunciam uma atração para um horário, e estouram a grade pelos mais diversos motivos.

Logo, se a TV tradicional quer sobreviver e ter alguma relevância, precisa se adaptar aos novos tempos. Se reinventar. Liberar todos os episódios de uma vez para quem se acostumou a ver na hora e na ordem que quiser é dar a liberdade para esse público. Quem prefere ver na TV tradicional certamente vai seguir assistindo no horário determinado pelo canal.

Acompanhar a evolução. Todos mundo precisa fazer isso. Por que não a TV também?