blacklist-nbc

Agora que a poeira abaixou, podemos com calma analisar as decisões tomadas pelos canais abertos norte-americanos, visando a próxima temporada de séries. Nosso amigo James Hibberd, do Entertainment Weekly, fez uma lista dessas decisões, e algumas delas vamos compartilhar e opinar. Talvez esse seja o primeiro esboço relevante sobre como esses canais estão se portando diante do cenário de momento. Nesse post, tanto séries novas quanto renovadas são analisadas. E não deve sobrar pedra sobre pedra ao final desse post.

Lista a seguir. 

Maior conceito (figurativo): Mixology (uma comédia onde toda a temporada vai se passar em uma noite em um bar).

Maior conceito (literal): Once Upon a Time in Wonderland (o trailer dá a ideia que a série toda é feita pela perspectiva de alguém que consumiu um coquetel de drogas pesadas, como crack, skank, ecstasy e ácido durante duas semanas).

Séries que mereceram o cancelamento: São muitas… nem sei por onde começar… bom, vamos lá: Animal Practice, Partners, Do No Harm, The Mob Doctor, Guys with Kids, Golden Boy

Séries cujo cancelamento foi injusto: a maioria dos jornalistas norte-americanos elegem Happy Endings como a grande injustiçada da temporada. Nem tanto por causa da baixa audiência (e esse foi o motivo do cancelamento), mas pela devoção dos fãs em relação à série. Também merecem menções nesse grupo Go On, The New Normal e Monday Mornings. 

Série mais sortuda da temporada: Nikita. Com uma audiência ridícula, ainda vai ter a chance de finalizar a produção com dignidade. Em contraste disso, CSI: NY, que tinha uma média de 11.2 milhões de audiência (quase 9 vezes mais que Nikita), não vai ter a mesma sorte.

Segunda série mais sortuda da temporada: Community. Tinha absolutamente tudo para ser cancelada, era uma série dada como morta por todos (inclusive por mim), e mesmo assim, a NBC deu mais uma temporada para a produção.

Atriz mais sortuda da temporada: Zooey Deschanel. Mesmo com New Girl perdendo muita audiência nessa temporada, a Fox decidiu colocar essa série como aquela que será exibida após o Super Bowl do ano que vem (herdando assim parte da maior audiência do ano).

Maior tendência (entre os canais): temporadas mais curtas. Os canais abertos dos EUA finalmente entenderam o que faz as séries dos canais pagos contarem com tanto sucesso nos últimos 15 anos. A CBS vai utilizar essa estratégia com Hostages e Intelligence (cada uma delas vai ter 12 episódios cada). A ABC fará algo semelhante, dividindo as temporadas de dramas como Grey’s Anatomy e Revenge em duas partes, cada uma com 12 episódios na sequência. Sem falar na Fox, que vai fazer o reboot de 24 Horas com 12 episódios, assim como a série baseada e Billy The Kid, que também deve ter 12 episódios.

Maior Tendência (em conteúdo): séries policiais, no estilo da CBS (duas delas com robôs), e  comédias familiares.

Maior ameaça de cancelamento: o programa de resultados de Dancing with the Stars e American Idol. No primeiro caso, já está decidido que performances e eliminação vão acontecer em um único programa. No segundo caso, o programa de eliminação deve ser, no mínimo, mais curto (30 minutos), ou até mesmo ser um anúncio de 15 minutos dentro da programação da Fox. Ou até mesmo ser anunciado online.

Série cancelada, mas cujo personagem deveria ser resgatado por qualquer outra série que está no ar: Nana, de The New Normal (interpretada por Ellen Barkin).

Piloto cancelado que gerou maior surpresa por não virar série: sem sombra de dúvida, Beverly Hills Cop. Era dado como aprovação certa, mas não rolou. Esse piloto dá curiosidade de ver. Afinal, deve ser ruim pacas.

Trailer mais ofensivo: alguns, mas Hibberd elegeu Dads (Fox), produzido pelo criador de Family Guy (e, segundo Hibberd, “misógino profissional”) Seth MacFarlene. Também coloco nessa lista promos como Killer Women (ABC), Once Upon a Time in Wonderland (ABC), We Are Men (CBS) e The 100 (CW).

Título de série mais original: Mom (CBS). Pela simplicidade, e por nunca ter sido usado antes. Títulos como Intelligence (CBS) e Almost Human (Fox) também merecem destaque.

Pior título de uma série nova: nessa temporada, não temos coisas terríveis como It’s Messy (que virou The Mindy Project), The 2-2 (que virou NYC 22) ou Golden Boy (que ficou com o mesmo nome). Talvez Brooklyn Nine-Nine entre na lista, mas aqui podemos entender que é uma piada com referências já utilizadas antes, como NYC 22 ou Detroit 1-8-7. Um dos nomes que vai ser mais irritantes para quem escreve sobre séries é, sem dúvida, Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D., justamente por exigir que a sigla seja pontuada todas as vezes que for escrita (não pretendo seguir essa regra, já que o SpinOff TV Series é um blog de desocupados).

Astros da TV que queremos ver nessa nova temporada: Karl Urban, em Almost Human, Ana Faris, em Mom, James Spader, em The Blacklist, Sean Heyes, em Sean Saves the World e Michael J. Fox, em The Michael J. Fox Show.

Astros da TV que não estamos tão empolgados assim em ver nessa nova temporada: Megan Boone, a co-protagonista de The Blacklist. 

Melhor mudança na grade dos canais: o bloco de duas horas de comédias nas noites terças da CBS. Até parece que o canal simplesmente confiscou o “Must-See TV” da NBC, um dos maiores sucessos da história da TV norte-americana.

Pior mudança na grade dos canais: não tivemos mudanças consideradas terríveis esse ano. Talvez o novo line-up da ABC, que colocou apenas séries novas nas noites de terça, sem contar que Scandal vai perder a audiência das afiliadas, já que foi movida para o horário das 22 horas (algumas das afiliadas da ABC exibem nesse horário o noticiário local).

Horário mais disputado da próxima temporada (envolvendo novas séries): segundas, 22h. A CBS vai exibir Hostages em um horário onde ela é líder de audiência, com uma série que promete mixar o ritmo de intriga, conspiração e ação policial. A NBC, no mesmo dia, no mesmo horário, vai exibir The Blacklist, que tem um ritmo semelhante, e vai herdar a forte audiência de The Voice.

Série nova que mais divide opiniões: The Goldbergs (ABC). Pode dar certo, se usarem bem as referências de forma construtiva. Por outro lado, pode ser uma bomba, e ser conhecida como “a série onde todos gritam o tempo todo”.

Com informações do EW.com