Trump

 

Está difícil para os roteiristas dos talk shows noturnos dos Estados Unidos produzirem seus conteúdos para os programas e respectivos apresentadores. O culpado? Donald Trump.

O novo presidente da nação mais poderosa do mundo se tornou uma pauta constante nos programas de fim de noite, e pelos motivos óbvios. Stephen Colbert (The Late Show) foi quem mais se beneficiou disso: desde que Trump assumiu a presidência em janeiro, Colbert conseguiu superar Jimmy Fallon (Tonight Show) na audiência geral (Fallon lidera com folga na demo 18-49 anos).

E, com tantas novidades sobre o presidente (novidades que só devem aumentar nas próximas semanas), estamos diante de uma batalha entre esses programas para se manterem no topo, utilizando o presidente como principal plot para os temas de política.

Seth Myers (Late Night, NBC) foi explícito ao falar sobre as dificuldades do seu time de roteiristas em oferecer um programa atualizado, já que o volume de notícias é frenético e constante. Trevor Noah (The Daily Show) sofreu do mesmo problema quando, do nada, vieram as revelações que Trump teria mentido sobre as comunicações de seus assessores com a Rússia.

Até o semanal Last Week Tonight (HBO) sofreu do mesmo problema no dia 21 de maio, diante da revelação do escândalo envolvendo Trump e a Rússia. Samantha Bee (Full Frontal) teve que “encerrar” o seu programa com um vídeo no seu site oficial, também por conta do breaking news da vida real.

Aliás, se manterem atualizados é apenas parte da nova realidade dos talk shows norte americanos. Se distanciar do tema Trump é um desafio para esses programas, pois isso pode significar queda de audiência. Afinal de contas, não falamos apenas do presidente dos Estados Unidos. Estamos falando de um presidente que está cercado de controvérsias.

E isso sempre acaba rendendo assunto. E, nesse caso, muita audiência.