30-Rock-Final-Season.jpg

A nossa amiga Janaína Muniz, leitora e ouvinte do SpinOff, mandou para a gente uma pergunta que, de tão interessante, virou um post aqui no blog. Até porque entendemos que a dúvida é bem interessante, a ponto de ser compartilhada com mais leitores. A saber:

O que os canais fazem com as séries que não conseguem chegar a Syndication? Tipo series com mais de uma temporada, mas que não conseguem chagar a 80/88 episódios? E canais de TV a cabo que não produzem series de 22 episódios por temporada, se essas series não chegarem a 80 episódios, o que acontece (exemplos: Six Feet Under e Oz)?

Resposta: 

Por partes. Primeiro, explicando o que significa o termo “Syndication”, para quem não sabe o que é.

Syndication é quando uma série está com condições de ser vendida para canais regionais (da rede aberta ou da TV paga), para serem reprisadas em suas respectivas grades de programação. Por conta disso, as produtoras de TV e elenco passam a receber uma participação maior nos lucros, por conta dessas reprises, que podem durar por décadas, dependendo do canal onde será reapresentada. Para alcançar esse status, em via de regra, a série precisa alcançar os 100 episódios produzidos. Mas esses números podem variar.

Normalmente os canais compram pacotes com 100 episódios, para exibir as reprises desses episódios ao longo de 20 semanas consecutivas no ano (ou cinco meses), com exibições dos episódios de segunda a sexta em sua grade. Ou seja, na média, uma série com 22 episódios por temporada pode alcançar essa marca na quinta temporada. Como nas últimas temporadas o número de episódios para uma temporada completa varia entre 18 e 22 episódios, algumas séries podem alcançar essa marca de Syndication com um número menor de episódios (entre 80 e 88 episódios).

Dito isso, o que acontece com uma série que não alcança a marca de Syndication? Basicamente, os seus envolvidos deixam de ganhar uma boa grana.

Levando em consideração que a regra de Syndication vale essencialmente para os canais de TV aberta ou rede (as regras para as séries de TV paga nos Estados Unidos são diferentes), quando uma série de TV aberta não alcança a tal marca (exemplos “totalmente parciais”: Cult, Ringer, Hellcats, We Are Men, How To Be a Gentleman, etc”), ela simplesmente acaba caindo no esquecimento. Não pode ter suas reprises comercializadas com outros canais nos EUA.

No caso de uma série de TV paga, os acordos são diferentes. Elas podem ser reprisadas em canais do mesmo grupo, mas como existe um incentivo à produção original (parecido com o que acontece agora no Brasil, com a tal “Lei da Ancine”), os canais acabam investindo nas suas produções, no lugar de reprisar produções de canais concorrentes. É como “comprar o ouro do bandido”. Agora, nada impede que essa série seja vendida para outros países e/ou outras plataformas (DVD, Blu-ray e/ou streaming). Aliás, é onde essas séries ganham muito dinheiro para as suas produtoras e elenco.

Nesse caso, os canais pagos preferem ou resgatar uma série cancelada da TV aberta (exemplo de Friday Night Lights, que foi resgatada da NBC pela Directv, ou de Cougar Town, que migrou da ABC para o TBS), ou reprisar algumas séries da TV aberta para completar a sua grade de programação (como é o que vai acontecer com The Simpsons, que será reprisada desde a primeira temporada no canal FXX – mesmo sendo um canal da 20th Century Fox, houve uma transação bilionária para os direitos de reprises na TV paga).

Na TV aberta, o conceito não é bem esse, uma vez que mesmo as grandes redes (NBC, CBS, ABC e Fox… de novo, CW é café com leite, logo, não conta) contam com independência para adquirir programas exibidos em outros canais. Até porque eles adquirem os programas dos estúdios que produziram os canais. Os canais que bancaram a série ganham os respectivos lucros dessa aquisição. E vida que segue.

Logo, é normal, por exemplo, ver a CW reprisando Friends (NBC) e Everybody Loves Raymond (CBS). Até porque fica fácil, já que as duas séries foram produzidas pelos estúdios da Warner Bros. E, como vocês bem sabem, a CW nada mais é do que a joint-venture entre CBS (dona do finado UPN) e a Time Warner (dona do finado The WB).

Para resumir: 

– não alcançou o Syndication = uma pena, você vai deixar de ganhar uma boa grana.
– alcançou o Syndication = parabéns, vem muita grana por aí. Sua série pode ser reprisada até o fim dos tempos na TV aberta ou TV paga.
– é uma série de TV paga = que seja boa o suficiente para ser vendida ao redor do planeta.