0007817e-630

Depois do (nem tão) surpreendente final de temporada para Homeland (pelo menos para aqueles que ouvem o Spinoff Podcast, que estava cantando essa bola há meses), Alex Gansa, showrunner da série, concedeu ao Entertainment Weekly uma entrevista em que repercute os acontecimentos recentes e dá dicas sobre o que pode vir. Desnecessário dizer que, se você não quer ler spoilers da season finale de Homeland, deve parar sua leitura por aqui.

Leia abaixo as principais respostas de Gansa. A entrevista completa você pode ler aqui.

Então a série acabou, certo?

Alex Gansa: Não, mas eu entendo seu ponto. Realmente pareceu um series finale. Quando você vê aquela estrela no final e percebe que o relacionamento central acabou, não há dúvidas que o programa deverá passar por uma reinvenção ou um reboot daqui pra frente.

O que você fará agora?

AG: Eu não estou pensando nisso ainda. A única coisa que está pipocando em minha mente agora é a tentação de mostrar Carrie fazendo aquilo que foi treinada para fazer — que é ser uma agente numa capital estrangeira. Parece um ótimo lugar para iniciar uma discussão.

Para mim essa impressão de finalidade do episódio foi bem forte, eu fiquei esperando por um gancho como nas outras temporadas mas isso seria muito fraco após perdermos Brody.

A temporada toda foi estruturada em torno desse final. Não especificamente Brody ser enforcado em praça pública em Tehran, mas nós sabíamos que ele não sobreviveria a essa temporada. O personagem tem sido uma parte significativa do programa. O título [do episódio final] “The Star” tem alguns significados: Brody certamente é uma das duas estrelas da série. E perder um personagem assim é doloroso. (…) É uma decisão muito difícil e nós queríamos honra-lo e não queríamos misturar com outras coisas. Por isso esses dois últimos episódios aconteceram dessa maneira.

Como os executivos do Showtime reagiram quando souberam que dessa vez vocês realmente matariam Brody?

Ainda que eles estivesse hesitantes com essa grande mudança, quando eles ouviram dos roteiristas que essa história precisava de uma conclusão e que precisávamos seguir em frente, acho que eles nos respeitaram. Sou bastante grato pela interferência deles nas temporadas 1 e 2. A maneira como conseguimos conduzir a morte de Brody fez tudo valer a pena.

Alguns fãs temem que Saul (Mandy Patinkin) esteja fora da série, mas suponho que ele voltará.

Todos podem ter certeza que Mandy Patinkin voltará para o elenco regular. Posso garantir com 100% de certeza. Ainda que ele [Saul] não esteja mais numa mesa, a CIA ainda possui muitos trabalhos para pessoas de fora. (…) A CIA pode usar alguém com suas habilidades e conhecimento para muitas atividades.

Sabemos que elas não estão mais no elenco regular, mas Dana (Morgan Saylor) e Jessica (Morena Baccarin) aparecerão na próxima temporada?

Eu seria um pouco menos definitivo em relação a elas. Pode haver espaço para as duas em alguns episódios. Carrie pode se ligar a alguma delas por alguma razão — a principal delas sendo informar a morte de Brody, o que no momento é uma informação secreta. A última coisa que a Guarda Revolucionária ou os Ayatollahs em Tehran querem ouvir é que isso foi tudo uma operação da CIA.

O que você diria para os fãs que estão irritados com a morte de Brody e ameaçando abandonar a série?

Eu diria: “Nós também estamos tristes”. Nós lamentamos não apenas a morte do personagem, mas também não termos mais Damian Lewis no set de filmagem. Mas o programa continuará, e o fará com alguns de seus fãs, mas não todos eles. Algumas pessoas querem uma série de espionagem, outras uma série romântica e outras querem sabe-se lá o que. A partida de Brody aconteceu no momento que achamos melhor. Ele teve importância para a série como um personagem vital, mas sua vida útil estava acabando. Você pode notar isso pelas suas aparições limitadas nos últimos episódios. Queríamos que cada vez que ele estivesse na tela realmente fosse importante.

Via