Porcentagem de spoilers nesse texto: baixo o suficiente para você rir de tudo quando ver o episódio.

Dois retornos importantes na TV norte-americana, que não podiam ficar para trás. Começamos com Parks and Recreation (S05E01), onde nossa política preferida, Leslie Knope vai fazer a sua visita mensal ao seu namorado, Ben, que está trabalhando em Washington com April. Motivo pelo qual Andy segue com Leslie para a capital norte-americana.

Como Leslie se tornando vereadora, novos desafios na cidade aparecem. Logo, a viagem para D.C. não serve apenas para ver o grande amor de sua vida. Nossa amiga foi buscar recursos para novas realizações na fantástica e desconhecida (por muitos) cidade de Pawnee, Indiana. Enquanto isso, o Departamento de Parques e Recreação tem um novo chefe. Bom, pelo menos tenta ter um novo chefe. Essa parte, eu não vou contar. A única pista que vou dar aqui é que você vai saber para que realmente serve um churrasco.

O episódio mostra bem o que aconteceu com os demais personagens e seus relacionamentos. Pode parecer um pouco devagar para quem se habituou com o final da quarta temporada, e todos os eventos da eleição de Leslie, que foram impagáveis. Mas vale como um bom retorno. Bom, pelo menos sabemos que a temporada engrena com o passar dos episódios. E a pergunta que fica é: será que Leslie e Ben vão segurar a barra de um namoro à distância?

E Survivor (S25E01) começa a sua temporada 25 mudando mais uma vez a sua mecânica, com o objetivo (quase impossível, ao meu ver) de tentar repetir a lendária temporada 20, e o mais importante: sobreviver sem Russell Hantz. Dessa vez, pela primeira vez na história do programa, as três tribos chegaram na ilha nada paradisíaca do programa pré-definidas, exceto pela volta de três participantes de temporadas passadas, que voltaram para mais uma chance, depois de abandonarem a competição por motivos médicos.

Além disso, enquanto essas três tribos durarem, os desafios de imunidade vão oferecer dois ídolos, para que duas tribos fiquem livres do conselho tribal. Fora isso, para aumentar a intriga entre aqueles que vão passar fome, frio, chuva e intrigas de alianças formadas por pessoas que te detestam por alguns dias, a imunidade individual está escondida dentro do acampamento, e não mais ao redor dele. Ou seja, acabou a história de algum espertinho sair passeando por aí e procurando em tudo quanto é buraco estrategicamente formado pela produção. Dizem até que “a imunidade individual tem formato tão óbvio, que está na cara de todo mundo”.

Fora isso, o programa permanece o mesmo, o que não é ruim. Jeff Probst continua aquele que coloca lenha no fogueira, deixando os perdidos cada vez mais perdidos, aumentando a intriga entre os participantes. Aliás, não demorou muito para as primeiras alianças (que não valem nada) começarem, as primeiras burradas, as mentiras e rasteiras entre os competidores. Nem precisou chegar na fusão para que o clima de intriga e enganação já tomasse conta de, pelo menos, duas tribos.

E, para a alegria (ou vergonha) dos brasileiros… temos uma brasileira nessa temporada de Survivor. A loura Abi-Maria já “chegou chegando”, mostrando a que veio e, principalmente, aquilo que “supostamente a mulher brasileira tem de melhor”. Isso, é claro, na opinião dela. Bom, quem sou eu para julgar. Parvati Shallow chegou duas vezes na final do reality show, ganhando uma vez o prêmio de US$ 1 milhão com essa mesma tática: pagando de oferecida para todo mundo. Aliás, você sabia que a Parvati ganhou um reality só dela na CBS, chamado Around the World For Free? Mais do que justo. Afinal de contas, para quem passou por Survivor por três vezes, rodar o mundo de graça parece ser uma grande viagem de férias!

E as novidades continuam. Muitas séries para ver, muitas novas temporadas para assistir. Outubro vai ser um mês longo… muito longo…